Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Economia & Negócios

Economia » Brasileiros buscam mais produtos e receitas online no inverno, diz Google

Suas Contas

Reprodução

Economia

Google

Brasileiros buscam mais produtos e receitas online no inverno, diz Google

Falta de frio, neve e outras características típicas da estação podem levar consumidores a comprar itens que os façam ‘vivenciar o inverno’

0

Nathália Larghi ,
O Estado de S.Paulo

21 Abril 2017 | 05h00

Segundo a sabedoria popular moderna – e alguns especialistas em tecnologia –, o Google sabe tudo sobre a vida das pessoas. Sendo verdade ou não, a empresa mapeou as mudanças nos hábitos e no consumo dos brasileiros durante o inverno a partir das buscas que os usuários fazem no site e em suas respostas em uma pesquisa online. O estudo mostrou que a procura por compras no geral aumenta 10% durante a estação, assim como a busca por receitas na internet.

Aline Prado, analista do Google responsável pela pesquisa, explica que essa mudança está associada à necessidade do brasileiro de "criar" um inverno semelhante àquele que existe no seu imaginário. "A estação é um processo criativo para nós. Aqui tem região que nem faz tanto frio, mas todos querem viver o inverno como o que se imagina dele. Então, precisamos 'comprar' coisas que criem esse ambiente icônico", explica.

Para o consultor Alberto Serrentino, da Varese Retail, outra explicação para a alta está associada à variação das temperaturas. Ele afirma que a chegada das frente frias levanta um alerta nas pessoas de que elas podem precisar de itens para enfrentar o frio. "Se o tempo virar, isso empurra as pessoas a comprar coisas novas. Como o online é a primeira fonte de pesquisa, quando elas sentem um impulso, é onde olham primeiro", afirma.

Produtos. O setor do vestuário é um dos que aumenta seu faturamento e margem durante o inverno, como explica a analista Ana Paula Tozzi, CEO da AGR Consultores. As lojas de roupas infantis, por exemplo, têm um alta de 10% a 15% na estação. "Criança não leva roupa do inverno anterior. E além disso, os pais também criam esse imaginário de que no inverno você se veste melhor, fica mais bonito. Por isso, as vendas desse setor aumentam", explica.

Uma das evidências da maior preocupação do brasileiro com a vestimenta durante o inverno é que o Google concluiu que existem 60% mais vídeos de "looks" de frio do que de verão no YouTube. "Eles têm uma visualização maior e o conteúdo é melhor, mais criativo. As pessoas sentem a necessidade de comprar roupas e casacos de que não necessariamente precisam. Nas regiões Norte e Nordeste, por exemplo, não é tão frio, mas todos querem participar dessa vestimenta e acessórios invernais", afirma Prado, do Google.

Além dos trajes, os brasileiros também se interessam pelas comidas típicas de inverno. Vinhos e fondue aparecem na pesquisa como alguns dos itens mais buscados. No entanto, a preferência por ficar em casa também aumenta durante a estação, o que causa uma alta de 10% a 15% nas vendas de comida delivery, segundo a analista da AGR.  "Embora os restaurantes fiquem mais vazios, já que as pessoas saem menos de casa, o ticket-médio aumenta. Os estabelecimentos lançam e preparam comidas especiais, que geralmente são mais caras", explica.

Por outro lado, os supermercados aumentam suas vendas. De acordo com a pesquisa do Google, 15% dos entrevistados percebem aumento no valor das compras de comida, devido ao consumo maior durante o frio. Dados da Associação Brasileira de Supermercados mostram que as vendas aumentaram 7,58% em julho ante junho após três meses consecutivos de queda. O movimento de alta após recuo no mês de julho também foi observado nos anos de 2013, 2014 e 2015. 

A pesquisa também mostrou que as buscas por receitas na internet aumentam 10% nos meses mais frios, o que também se reflete na conta do supermercado. "As pessoas compram coisas mais supérfluas e também ingredientes mais elaborados", afirma Serrentino, da Varese.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.