Mesmo com corte nos juros, fundos e Tesouro continuam com taxas atraentes

Mesmo com corte nos juros, fundos e Tesouro continuam com taxas atraentes

Corte na Selic mais lento do que a redução da inflação torna maior o ganho real de aplicações

Malena Oliveira, O Estado de S.Paulo

11 Janeiro 2017 | 18h24

O corte na Selic, a taxa básica de juros da economia, não diminuiu a atratividade dos fundos de renda fixa e do Tesouro Direto em relação à poupança. Analistas afirmam que a redução significativa da inflação abre espaço para uma queda maior do juro básico. Porém, mesmo com uma Selic menor, a distância de patamar entre esta e a inflação ainda resultam em ganho real elevado para estas aplicações.

Nesta quarta-feira, 11, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC decidiu cortar a Selic em 0,75 ponto porcentual, para 13% ao ano. Também hoje, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) - a inflação oficial - encerrou 2016 em alta de 6,29%. Em 2015, o IPCA avançou 10,67%.

Dessa forma, mesmo prometendo um retorno menor do que no ano passado, ainda levam vantagem sobre a poupança títulos do Tesouro ou fundos de investimento que possuam taxa de administração abaixo de 2%. 

"A cada queda da Selic, diminui a vantagem dos fundos, mas ela deve durar até o fim de 2017", diz Miguel Ribeiro de Oliveira, diretor executivo de estudos e pesquisas da Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac). As projeções da associação apontam a Selic a 10,50% no fim do ano, o que sustentaria esse quadro.

 

 

 

Vale destacar, no entanto, que a poupança teve em 2016 um ganho nominal de 8,30%, o maior em dez anos segundo a provedora de informações financeiras Economatica. Assim, ela continua sendo a opção indicada para aplicações de curtíssimo prazo ou reserva de emergência. 

Para quem já possui aplicações em fundos ou Tesouro, o gerente de investimentos da corretora Concórdia, Mauro Mattes, recomenda cautela antes de tomar uma decisão sobre o resgate: "A dúvida frequente de quem aplicou a taxas mais altas é se deve resgatar ou não. Para quem não sabe como vai reaplicar o dinheiro, a melhor opção é mantê-lo investido", diz.

Ações. Para quem está disposto a investir em renda variável, o gestor de recursos Chow Juei, da Spinelli Corretora, recomenda papéis dos setores de construção, infraestrutura (energia e concessionárias), consumo e setor bancário. 

A perspectiva de melhora da atividade econômica, com o consequente aumento da concessão de crédito e a maior disposição para consumir favorecem esses setores e podem trazer retornos interessantes para os investidores. "As empresas estão muito endividadas e, caindo os juros, isso diminui os encargos e aumenta os ganhos", diz Juei.

Mais conteúdo sobre:
Selic Banco Central Copom Ibge Tesouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.