Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Rentabilidade de aplicações de baixo risco deve cair pela metade

Cálculos foram feitos considerando as projeções para inflação e taxa de juros nos próximos 12 meses

Silvio Crespo*, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

09 Agosto 2017 | 12h03

A rentabilidade real das aplicações financeiras de baixo risco deve cair à metade nos próximos 12 meses, em comparação com os 12 meses anteriores, caso as previsões de inflação e de juros dos analistas de mercado se confirmem.

O cálculo faz parte do estudo Rendimento Real das Aplicações de Baixo Risco 2017/2018, elaborado pelo economista Pedro Raffy Vartanian, em parceria com o blog Dinheiro pra Viver.

O rendimento real é aquele que desconta a inflação. A poupança, por exemplo, rendeu 7,82% nos 12 meses encerrados em junho. Descontando a inflação, que foi de 3% no período, a rentabilidade real da poupança foi de 4,68%.

Considerando a projeção dos analistas de mercado para a inflação e a taxa básica de juros (a Selic), nos próximos 12 meses a poupança deve ter um rendimento real de apenas 1,97%.

Outras aplicações de baixo risco, como o Tesouro Selic (um título do Tesouro Direto) e os CDBs também devem ter a rentabilidade reduzida à metade, conforme o quadro abaixo.

 

 

A tabela mostra três rentabilidades distintas para os fundos de investimento, sendo uma para quem investe R$ 2 mil; outra para quem aplica R$ 10 mil e, finalmente, uma terceira para aplicações de R$ 50 mil. Os fundos de renda fixa que exigem investimentos altos são os que costumam render mais.

Quem investir R$ 2 mil em um fundo DI deve ter uma rentabilidade real de apenas 1,5% nos próximos 12 meses. Já quem aplicar R$ 50 mil pode conseguir fundos melhores e a rentabilidade real tende a ficar em torno de 2,2%.

Simulações. Quem investir R$ 10 mil na poupança deverá ter R$ 10.590 na conta daqui a 12 meses. Porém, deve haver uma inflação de 3,85% nesse período, segundo as estimativas da pesquisa Focus, do Banco Central. Isso significa que, daqui a 12 meses, os R$ 10.590 na verdade equivalem a R$ 10.197, em valores de hoje. Na prática, portanto, a poupança não deve fazer muito mais do que acompanhar a inflação. 

Já o investidor que aplicar R$ 10 mil no Tesouro Selic poderá resgatar R$ 10.650 daqui a 12 meses - valor que, hoje, equivale a R$ 10.255. O estudo completo, com simulações para investimentos de R$ 2 mil, R$ 10 mil e R$ 50 mil, e com projeções para 12 e 24 meses, está disponível para download gratuito no blog Dinheiro pra Viver.

Os dados descontam não apenas a inflação, como também o Imposto de Renda e todas as taxas. Para o Tesouro Selic e os CDBs, foi considerada a aplicação em uma corretora que não cobre taxa de administração.

*Artigo escrito em parceria com o blog Dinheiro para Viver

Mais conteúdo sobre:
Imposto Inflação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.