Economia & Negócios

economia

Black Friday 2018

Confira a cobertura em tempo real com transmissões ao vivo e informações exclusivas de um dos principais eventos do calendário do varejo no ano

A temporada de superdescontos prometida pelo varejo na Black Friday começou antecipadamente nesse ano, já na manhã da quinta-feira (22) varejistas lançaram as ofertas especiais para a data. A expectativa é de que 60% dos consumidores comprem via comércio eletrônico e 60% em lojas físicas. Este ano, são esperados que 100 milhões de brasileiros aproveitem a data para fazerem alguma compra, de acordo com pesquisa feira pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito).

 

Neste ano, mais do que em edições anteriores, os lojistas adiantaram as promoções, que estão no ar desde o começo da semana. Contudo, segundo o Google, o pico de consumo deve acontecer, de fato, amanhã.

 

Uma das redes que decidiram adiantar as promoções para a data criada nos Estados Unidos foi a Via Varejo, dona das Casas Bahia e do Ponto Frio. A partir desta quinta-feira, 22, às 11h, as mil lojas da rede vão abrir as portas já com os preços reduzidos. Em lojas como Pão de Açúcar e Extra, a expectativa é que o movimento em um único dia supere o de seis sextas-feiras juntas, que tradicionalmente é o melhor dia desse varejo.

Para além das ofertas relâmpago, os órgãos de defesa dos consumidores alertam para as pegadinhas, batizadas de “Black Fraude”. Procon-SP e Instituto Nacional de Defesa do Consumidor (Idec), por exemplo, vão manter uma sala de crise para atender às demandas dos clientes que enfrentarem problemas nas compras.

 

De acordo com dados da Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), órgão do Ministério da Justiça, durante a Black Friday ocorre um aumento de cerca de 70% nas reclamações na plataforma consumidor.gov.br, um serviço público que permite a interlocução direta entre consumidores e empresas para solução de conflitos. O problema é que o número de ocorrências solucionadas, no entanto, permanece igual, na média de 72,6%.

 

ACOMPANHE AO VIVO

Atualizar
  • 22h35

    23/11/2018

    A cobertura ao vivo da Black Friday termina aqui. Voltamos com mais informações sobre o assunto na segunda-feira. 

  • 22h32

    23/11/2018

    Aplicativo oferece pratos a R$ 1,99 até as 23:59

     

    Em meio a promoções online nesta Black Friday de 2018, o aplicativo de pedidos de comida Ifood está com promoção hoje, dia 23 de novembro, até as 23:59, em que milhares de ofertas de pratos estão custando apenas R$ 1,99. 

     

    De acordo com o CEO da empresa, Carlos Moyser, o grande intuito desta ação é promover o nome da empresa com o público e, consequentemente, divulgar os nomes das cerca de 50 mil parceiras que utilizam o aplicativo.

     

    Foto: IFood

    Ifood

  • 22h29

    23/11/2018

    Black Friday: Promoção de aplicativo gera confusão em bar de São Paulo

     

    No tradicional Bar Estadão, no Viaduto Nove de Julho, em São Paulo, uma promoção do aplicativo de entregas IFood vem causando confusão durante toda sexta-feira, 23.

     

    O aplicativo está cobrando R$ 1,99 pelo famoso sanduíche de pernil da lanchonete. De acordo com o atendente Zezinho, a diferença do preço original - que custa R$ 17,00 - é paga pelo aplicativo. “Pro bar está sendo ótimo, mas algumas entregas estão demorando mais de três horas para saírem da chapa”, disse. Ao ser questionado sobre a razão da demora, um outro funcionário do bar disse que o problema não é a quantidade de pernil, “porque lá em baixo (no estoque) está cheio”, mas sim a mão de obra. 

     

    Os entregadores ficam em uma janela na lateral do bar, de baixo de chuva. Dois motoboys que não quiseram identificar se queixaram da desorganização da promoção. “Se não tem condição de fazer promoção, não faz”, reclamam. “Estou aqui há 3 horas. O cliente nunca vai cancelar, ele está pagando 8 reais por 4 lanches”. O problema, de acordo com os entregadores, é que eles faturam por entrega. “Não posso arcar com o custo de ficar 3 horas parado”, afirmam. 

     

    Gabriel Wainer/ESTADÃO

    Gabriel Wainer/ESTADÃO

  • 22h24

    23/11/2018

    Cuiabá vira centro de vendas a céu aberto

     

    A grande novidade deste ano ficou por conta de um shopping center da cidade que decidiu transformar a Black Friday em game de realidade aumentada com alvos espalhados por todos os pisos com descontos e promoções exclusivas de até 90%. Os clientes podem capturar os produtos com descontos exclusivos em pontos fixos do centro de compras.

     

    Segundo a assessoria da  CDL Cuiabá, os produtos mais procurados neste primeiro dia das promoções são: roupas (36%), eletrodomésticos (26%), eletrônicos (24%), celulares (22%) e móveis e artigos para casa (14%).

     

    Foto: Paola Carlini

    Paola Carlini

  • 22h18

    23/11/2018

    Black Friday deve injetar meio bilhão na economia gaúcha

     

    Em Porto Alegre, população tem optado por descontos em produtos de higiene e beleza, utensílios domésticos e eletroeletrônicos

     

    Conforme estimativa da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul (FCDL), R$ 585 milhões devem ser injetados na economia gaúcha com a Black Friday. Para o presidente da entidade, Vitor Koch, novembro já se tornou a segunda melhor data de vendas no Rio Grande do Sul. “É um evento extremamente significativo para o comércio físico no Estado. As lojas já estão com descontos há uma semana, mas, hoje, chegamos ao auge na Black Friday”, destaca Koch ao Estadão. 

     

    Lucas Rivas/ESTADÃO

    Lucas Rivas/ESTADÃO

  • 21h52

    23/11/2018

    Para especialista do Ibevar, varejo físico costuma supervalorizar onda da Black Friday

     

    Patricia Cotti, do Ibevar, avalia que a falta de movimento e a supervalorização da Black Friday em lojas físicas é comum no Brasil. “Diferente dos Estados Unidos, a data, aqui, começou no e-commerce, as lojas físicas vieram depois”, afirma.

     

    A reportagem do 'Estado' esteve em diferentes shoppings da capital paulista durante a tarde de hoje e conversou com diversos lojistas, que afirmaram que o movimento nos centros comerciais não mudou com os descontos e condições especiais de pagamento oferecidas na data.

     

    Alex Silva/ESTADÃO

    Alex Silva/ESTADÃO

  • 20h55

    23/11/2018

    Grand Plaza Shopping, em Santo André, no ABC paulista, ficou inundado pelas chuvas durante a Black Friday, nesta sexta-feira, 23.

     

    Um vídeo feito por um visitante que passava pelo local mostra lojistas tentando impedir que a água entrasse nas lojas. (Vídeo: redes sociais)

     

  • 20h42

    23/11/2018

    Reclame Aqui já soma 4.058 reclamações referentes à Black Friday

     

    Problemas na compra de passagens aéreas aparecem pela primeira vez no ranking do site, na terceira posição, atrás de smartphones e celulares e TVs 

     

     Das 12h às 16h foram registradas, em média, 230 reclamações por hora. Em 2017, no mesmo período, a média foi de 199 reclamações por hora, um aumento de 15,6% (TALITA NASCIMENTO) 

     

    EFE/Sebastião Moreira

    EFE/Sebastião Moreira

  • 19h37

    23/11/2018

    Apesar de aumento do número de ofertas, produtos com menor preço sofreram queda na Black Friday 2018

     

    Levantamento da plataforma de compartilhamento de anúncios Promobit aponta que em 2017 ‘top ofertas’ foram quase o dobro de 2018 

     

    Este ano, da última quinta-feira, 22, até às 13h desta sexta, 23, foram enviados 4.585 anúncios para a plataforma, mas apenas 418 foram consideradas “top ofertas”, o que representa 9,12% do total. 

  • 18h35

    23/11/2018

    Alguns consumidores são fiéis quando o assunto é ver o produto de perto antes de comprar.

     

    Para a dona de casa Claudia Alves, as pesquisas da Black Friday começaram pela Internet e as expectativas de uma boa compra foram frustradas nas lojas físicas. "Comecei a pesquisar os preços agora à tarde, mas já percebi que comprar pela Internet é melhor. Você compara o mesmo produto nos sites e são mais baratos", explica. 

     

    Claudia, que estava em uma das unidades das Lojas Casas Bahia de Itaquera, zona leste de São Paulo, conta que precisa de utensílios domésticos. "Gostaria de comprar panelas e outros produtos de cozinha. Até agora sem sucesso. Mas vou tentar em outras duas lojas para ver", diz.

     

    FOTO: ANDREZA GALDEANO/ESTADÃO 

    FOTO: ANDREZA GALDEANO

  • 18h09

    23/11/2018

    Com um maior fluxo de pessoas comparado às outras lojas da região, a unidade das Casas Bahia de Itaquera ainda está com um público aquém do esperado, mas segue com lojistas otimistas para boas vendas no começo da noite e fim de semana.

     

    A dona de casa Maria José saiu da loja com sacolas de utensílios domésticos e elogiou as promoções. "Eu vim procurar uma cama e jogo de panelas. Achei os preços bons e mais baratos. Até agora eu comprei um jogo de jantar. Paguei R$ 279 e já vem com panela de pressão, então foi um preço ótimo", avalia. (Andreza Galdeano)

    Andreza Galdeano/Estadão

  • 18h05

    23/11/2018

  • 17h34

    23/11/2018

    Na rua José Paulino, outro importante polo de comércio popular no Bom Retiro, em São Paulo, a situação é parecida com a da Rua 25 de Março nesta Black Friday

     

    Poucas são as lojas que aderiram à Black Friday e a justificativa dos lojistas é a mesma, de que não há vantagem financeira em oferecer ainda mais descontos do que os que já são habitualmente oferecidos. (GABRIEL WAINER) 

     

    FOTO: GABRIEL WAINER

    FOTO: GABRIEL WAINER

  • 16h59

    23/11/2018

    No shopping Eldorado, em São Paulo, o movimento da Black Friday está bem abaixo do esperado. Lojas de tecnologia e perfumaria, por exemplo, estavam com expectativa de dobrar as vendas, mas, até as 15h, isso não aconteceu. 

     

    Com exceções de lojas grandes, como Carrefour e Cea, que afirmam ter vendido bem neste início de Black Friday, o shopping está com pouca gente dentro das lojas, sem sacolas nas mãos e não acreditando muito nos preços. 

     

    A produtora de eventos Carla de Wolf, de 29 anos, afirma que já comprou celular, passagens aéreas e até seguros pela internet, pelos preços mais baixos. Mas acredita que, em lojas físicas, está rolando o famoso Metade do dobro. “Não tá rolando muito desconto”, diz. 

     

    A babá de 36 anos Márcia Santos percebe a mesma coisa. Ela queria comprar um celular, mas achou tudo muito caro. “Não mudou nada os preços. Está a mesma coisa.” 

     

    Alguns lojistas querem atender às expectativas de venda na noite de hoje e no fim de semana. (Felipe Siqueira)

     

    Foto: Felipe Siqueira

    Felipe Siqueira/Estadão

  • 16h37

    23/11/2018

    Para quem pensa que os consumidores estão de olho apenas em produtos da linha de tecnologia, então enganados. Em uma das lojas Pernambucanas, em Itaquera, zona leste de São Paulo, pessoas buscam promoções de roupas. 

    "Estou olhando as promoções da Black Friday. Procuro roupa e algo de cama, mesa e banho", conta a professora Lucineide Santos. "Entre tudo o que eu já vi, acho que as roupas estão mais baratas e valem a pena", completa. (Andreza Galdeano)

    Foto: Andreza Galdeano

    Andreza Galdeano/Estadão

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.