Economia & Negócios

economia

Black Friday 2019: siga o maior evento de descontos do País

Grandes lojas do varejo prometem ofertas em diferentes produtos e segmentos, como celulares, eletrodomésticos, eletrônicos, fast food, cosméticos e vestuário

A Black Friday 2019, maior evento de descontos do Brasil ocorreu nesta sexta-feira, 29, e o Estado reúniu aqui as noitícias relacionadas à data, que movimenta o varejo físico e o comércio eletrônico.

 

O setor de games foi o que obteve maior desconto médio nos produtos durante a semana da Black Friday 2019, com 14% de redução nos valores. Os dados são da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). O levantamento monitorou 2 mil preços, divididos em nove categorias. 

 

Depois do grupo dos games, vieram os smartphones e celulares empatados no segundo lugar com a categoria de moda e acessórios (10% de desconto médio), além dos eletrodomésticos e eletroportáteis e informática, também em empate na terceira colocação com 9% de desconto. Ao destrinchar os números em subgrupos, os maiores descontos nominais foram para smartbands (relógio que monitora os sinais vitais do usuário), com redução de 26%; cafeteiras elétricas, 20%; e videogames, 17%.

 

Segundo a plataforma, Promobit, porém, a sexta-feira de promoções perdeu força frente a estratégia de muitas lojas de adiantarem a Black Friday e teve menos ofertas que a quinta-feira (28), que foi o grande dia para as compras. Isso foi o que revelou levantamento realizado paela startup especializada em descontos e promoções. Na quinta-feira a plataforma recebeu 3.985 anúncios, destes, 2104 foram consideradas como promoções reais. Na sexta esse número caiu para 2.888 totais e 1.559 aprovadas. 

 

ACOMPANHE AO VIVO

Atualizar
  • 17h07

    30/11/2019

    Encerramos por aqui a nossa cobertura ao vivo da Black Friday 2019. Agradecemos por acompanhar.

  • 17h01

    30/11/2019

    Já, segundo levantamento da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o setor de games foi o que obteve maior desconto médio nos produtos durante a semana da Black Friday 2019, com 14% de redução nos valores. O levantamento monitorou 2 mil preços, divididos em nove categorias. 

     

     

    Depois do grupo dos games, vieram os smartphones e celulares empatados no segundo lugar com a categoria de moda e acessórios (10% de desconto médio), além dos eletrodomésticos e eletroportáteis e informática, também em empate na terceira colocação com 9% de desconto. Ao destrinchar os números em subgrupos, os maiores descontos nominais foram para smartbands (relógio que monitora os sinais vitais do usuário), com redução de 26%; cafeteiras elétricas, 20%; e videogames, 17%.

  • 16h50

    30/11/2019

    Quem estava esperando por uma promoção de eletrodomésticos ficou bastante feliz com a Black Friday, a categoria teve, de acordo com o Promobit, média de desconto de 57% durante o evento, o que é o do dobro do produto mais desejado: smartphone. Inclusive a data não foi muito favorável a quem queria aproveitar para trocar o celular, já que a média de descontos foi de 18%. 

     

     

    Além de eletrodomésticos, tiveram bons descontos as categorias de moda e calçados, com 54% de desconto, bebidas com 49%, malas e mochilas com 48% e móveis com 41%.

  • 16h49

    30/11/2019

    O maior pico de ofertas consideradas pela plataforma como verdadeiras aconteceu às 22h e teve quase o dobro do que aconteceu na sexta. “Aqui no Promobit nós contamos a Black Friday de quinta até segunda e não apenas na sexta, já que nesses cinco dias o número de ofertas é bem maior que o normal”, aponta Carneiro. 

     

     

    Somados os dois dias, a plataforma recebeu 6873 anúncios de produtos em promoção, mas apenas 3663 foram consideradas confiáveis, tendo o “menor preço de verdade” e de lojas que passam pelos seus parâmetros de segurança da Plataforma. Em relação às ofertas que possuem quedas mais expressivas de preço, foram postadas 1028 na plataforma do Promobit. 

  • 16h40

    30/11/2019

    A sexta-feira de promoções perdeu força frente a estratégia de muitas lojas de adiantarem a Black Friday e teve menos ofertas que a quinta-feira (28), que foi o grande dia para as compras. Isso foi o que revelou levantamento realizado pelo Promobit, startup especializada em descontos e promoções. Na quinta-feira a plataforma recebeu 3.985 anúncios, destes, 2104 foram consideradas como promoções reais. Na sexta esse número caiu para 2.888 totais e 1.559 aprovadas. 

     

    Fabio Carneiro, co-fundador do Promobit, explica que nos últimos anos essa dinâmica tem se repetido. “Nós percebemos que as ofertas se concentram na noite de quinta e vão até 01h mais menos com mais força, depois temos uma desaceleração na madrugada, outro pico na hora do almoço e quantidade de ofertas voltam a diminuir”. 

  • 23h09

    29/11/2019

    Qual foi sua impressão sobre os descontos da edição 2019 da Black Friday no Brasil? Com essa pergunta, o site Reclame AQUI ouviu 1.000 consumidores na noite desta sexta-feira, a poucas horas do fim da maior data de ofertas do varejo brasileiro.

    Para 81,5% dos entrevistados, os descontos ficaram abaixo do esperado (46,3%) ou simplesmente não existiram (35,2%).  Outros 11,4% disseram encontrar descontos dentro do que esperavam e apenas 7,1% acharam ofertas mais do que esperavam.

  • 22h01

    29/11/2019

    Quem esperou até a sexta-feira para fazer suas compras teve menos chances de conseguir o produto que tinha interesse com queda expressiva de preços. De acordo com levantamento do Promobit, startup especializada em descontos, apenas 9% de todas as promoções que foram compartilhadas com a plataforma, foram consideradas como Top Ofertas (menor preço nos últimos seis meses). 

     

     

    Na sexta-feira a plataforma recebeu 2277, sendo que pouco mais da metade, 1187 foram consideradas pelo Promobit como promoções de verdade, ou seja, produtos que não estiveram mais baratos recentemente. 

  • 17h52

    29/11/2019

    Papel higiênico foi um dos produtos mais procurados na Black Friday 2019, segundo a startup Promobit, que reúne diversos produtos à venda na sua plataforma. 

     

    Segundo dados, um pacote de papel higiênico com 24 rolos contabilizou mais de 5 mil redirecionamentos a paginas de e-commerce que oferecem o produto. 

  • 17h41

    29/11/2019

    O Procon-SP informou que, até o momento, a empresa mais reclamada foi a B2W Companhia Digital, que administra Americanas.com, Submarino, Shoptime, Soubarato e Lojas Americanas. Foram com 32 reclamações (11,47%).

  • 17h36

    29/11/2019

    O Procon-SP notificou o Burger King e McDonald’s. Isso porque os clientes das duas as redes de lanchonetes só teriam direito a ofertas de lanches caso pagassem por meio do aplicativo Mercado Pago

     

    As equipes de fiscalização do Procon-SP, porém, verificaram que várias lojas estavam com o sistema inoperante. Assim, o consumidor não conseguia adquirir o lanche pelo valor promocional ofertado.

     

    As empresas deverão responder a um processo administrativo e podem ser multadas.

     

  • 17h29

    29/11/2019

    À espera do resultado de vendas da Black Friday, as ações da Via Varejo e B2W ganham força nesta sexta, 29. As ações da Via Varejo subiram 2,33% há pouco, enquanto as da B2W tinham alta de 1,49%. 

     

    O Magazine Luiza, que já subiu bastante nos últimos pregões, recuou 0,86%. 

  • 17h26

    29/11/2019

    O Magazine Luiza vendeu o equivalente a 13 mil quilômetros de papel higiênico no evento que ocorreu na véspera da Black Friday, batizado do Black Das Blacks. Cada pacote com 16 rolos foi comercializado por R$ 9,90 e o total vendido é suficiente para cobrir uma distância entre São Paulo e Sidney, na Austrália. 
     
     
    No show ao vivo de duas horas transmitido pelo canal Multishow, da TV paga, na quinta-feira à noite, foram anunciadas ofertas do esquenta Black Friday e atrações musicais. A hastag  #BlackDasBlacks foi o terceiro assunto mais comentado no Brasil e o oitavo no mundo no Twitter. A empresa informa que registrou alta nas vendas  na comparação com o ano passado para o período.

  • 17h23

    29/11/2019

    O pico de pedidos faturados nesta Black Friday aconteceu entre às 11h e meio dia desta sexta, 29. 

     

    A plataforma Clearsale atualiza o seu site de hora em hora e, conforme o gráfico, os pedidos realizados neste ano superam a quantidade do ano passado. 

     

    As previsões do mercado já se mostravam bastante otimistas em relação à movimentação de dinheiro neste ano. A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) calculou que o varejo iria movimentar R$ 3,67 bilhões em vendas, o maior faturamento em uma década. 

     

    Arte: Clearsale

    https://economia.estadao.com.br/blogs/daniela-milanese/wp-content/uploads/sites/43/2019/11/pedido-faturado.jpg

  • 17h13

    29/11/2019

    Propaganda enganosa é o problema mais relatado pelos consumidores na plataforma em tempo real do Reclame Aqui na Black Friday 2019. De todas as reclamações registradas desde as 11h do dia 27 de novembro  (quarta-feira) até as 17h desta sexta, 29, quase 32% foram sobre propaganda enganosa. 

     

    Hoje em dia, as empresas estão muito mais conscientes. É difícil que façam alguma propaganda com informações falsas. Mas publicidade enganosa é também aquela que tem o potencial de confundir uma pessoa”, explicou o advogado Pedro Barradas Barata, sócio do escritório Pinheiro Neto. Confira as dúvidas que o advogado respondeu ao Estado

  • 16h43

    29/11/2019

    O deslocamento de pessoas para lojas físicas durante a Black Friday foi 60% maior do que em outras sextas comuns de 2018, apontou um levantamento feito pelo aplicativo de navegação Waze

     

    Para chegar à conclusão, o Waze analisou o comportamento de seus usuários ativos no dia da Black Friday 2018 e comparou com outras sextas-feiras do mesmo ano, pois o último dia útil da semana é o que normalmente já apresenta uma maior movimentação em relação aos outros. Somente em São Paulo, o número de usuários ativos no ano era de 4,4 milhões; e no Rio de Janeiro, 1 milhão. Mais informações aqui. 

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.