Economia & Negócios

economia

Black Friday 2017

Confira a cobertura de um dos principais eventos do calendário do varejo no ano

Black Fraude? Metade do dobro? Acompanhe a cobertura da Black Friday 2017: descontos, serviços, reclamações, maquiagem de preços, dicas para o consumidor e até memes. 

 

Viu algum desconto incrível ou um falso desconto? Tem alguma dúvida sobre seus direitos? Mande um WhatsApp para o Economia & Negócios: (11) 99439-3766. Participe!

ACOMPANHE AO VIVO

Atualizar
  • 17h52

    24/11/2017

    Eletrodomésticos e produtos eletrônicos são os mais cobiçados pelos consumidores em uma Black Friday. Não por acaso, quase todas as grandes redes varejistas colocam logo na entrada das suas lojas esses produtos, junto de um batalhão de vendedores dispostos a fazer de tudo para o cliente não desistir da compra. Mas o consumidor é esperto, sabe barganhar e não se deixa levar por qualquer banner que grita "desconto imperdível" em letras vermelhas.

    O aposentado Flávio Albuquerque, por exemplo, estava com a sua mulher nas Casas Bahia da Rua Doze de Outubro, e desistiu de comprar um novo eletrodoméstico pra sua casa. "Queria uma geladeira, fogão e máquina de lavar, mas o preço continua alto demais. Às vezes fica R$ 100 reais mais barato em uma loja diferente, mas mesmo assim fora do nosso orçamento", afirma. "To até agora procurando esses descontos anunciados" ironiza Flavio, dando a meia volta e indo embora das Casas Bahia com as mãos vazias. 

    Um pouco mais à frente, na Magazine Luiza, a também aposentada Rose Ribeiro desistiu de comprar um celular novo pra sua neta depois de ver os preços "absurdos" dos aparelhos. " Minha aposentadoria não chega pra isso aí", diz, tristonha. (Ricardo Rossetto)  

  • 17h30

    24/11/2017

    A rua Doze de Outubro, na Lapa, na zona oeste da capital, é outro daqueles famosos centros comerciais de São Paulo. A rua concentra uma variedade incrível de lojas: roupas, eletrodomésticos, utensílios domésticos, telefonia celular, pastelarias e, nesta época do ano, locais "especializados" em enfeites de Natal. Mas quem disse que todas essas opções animaram os consumidores a gastar seu 13° salário, ou algo equivalente, com as promoções da Black Friday? Por volta das 17h desta sexta-feira, 24, as ruas da região estavam bem tranquilas e relativamente vazias, diferente daquelas muvucas observadas aos finais de semana neste local, que é considerado uma "nova 25 de Março". 

    Para alguns lojistas, essa aparente normalidade não é um problema. "Após às 18h a loja vai lotar com as pessoas que saem do trabalho", sonha um vendedor das Casas Bahia, repetindo o discurso dos seus pares da rua Teodoro Sampaio. (Ricardo Rossetto) 

    Ricardo Rosseto

  • 16h17

    24/11/2017

    Segundo o Mercado Livre, das 17h de quinta-feira até às 14h desta sexta-feira, a plataforma vendeu 3 vezes mais comparado ao ano passado. Celulares, eletrônicos e informática são as três principais categorias. O Mercado Livre conta com 850 lojistas participantes e mais de 50 mil produtos à venda.

  • 16h08

    24/11/2017

    Netshoes supera a média diária de vendas em 10 horas de Black Friday. De acordo com o e-commerce que controla as lojas Netshoes, Zattini e Shoestock, foram registrados mais de 40 mil pedidos durante o período. Com média de 4 mil pedidos por hora, o e-commerce atinge um número histórico de vendas. A varejista registrou também que a maioria dos clientes concluiu os pedidos nas primeiras horas de Black Friday, entre meia-noite e 3h da manhã.

  • 15h51

    24/11/2017

    Na parte mais baixo da Rua Teodoro Sampaio, onde predomina o comércio popular, a propaganda das grandes redes de varejo conseguiu chamar a atenção dos consumidores. De acordo com representantes de vendas das Casas Bahia e Ponto Frio, por exemplo, o fluxo de visitas aumentou bastante hoje em relação aos outros dias da semana. Mas o volume de vendas segue abaixo do esperado, mesmo com descontos que alcançam 70% do valor de alguns produtos. "Vamos até às 22h hoje, e esperamos que, depois das 18h, quando as pessoas saírem do trabalho e passarem por aqui, a gente consiga aumentar as vendas e alcançar a meta", afirma Graça Costa, do Ponto Frio. (Ricardo Rossetto)

    Ricardo Rossetto

  • 15h05

    24/11/2017

    Levantamento da dunnhumby, que atua com análise de dados de comportamento do consumidor, aponta que 55% dos brasileiros vão aproveitar a Black Friday para antecipar as compras de Natal. Segundo os dados apurados, 68% dos entrevistados pretendem comprar na edição deste ano. A pesquisa foi realizada com 1.000 consumidores, com idade a partir de 18 anos, das classes A, B e C. 

  • 15h02

    24/11/2017

    Hackers aproveitam a Black Friday para desenvolver golpes por meio de promoções falsas, que imitam páginas de e-commerce de confiança para o consumidor. O laboratório DFNDR Lab, laboratório especializado em cibercrime, já identificou mais de 160 ofertas falsas que mencionam a Black Friday desde o início do mês. De acordo com Emílio Simonio, diretor do DFNDR Lab, a projeção é de que eles identifiquem um aumento de 600% de detecção de fraudes em relação ao ano passado.

  • 14h41

    24/11/2017

    No trecho que concentra as lojas de decoração na Rua Teodoro Sampaio, conhecido reduto de compras no bairro de Pinheiros, na zona oeste da capital, a falta de clientes incomoda Maria Aparecida Lemes, dona de uma franquia da loja de colchões Ortobom. 

    Para ela, falta para os lojistas da região um "espírito animal" para datas importantes do varejo como a Black Friday. "Na rua, é muito cada um por si. Falta união entre os vendedores, e também uma cultura mais agressiva para atrair os consumidores" aponta. (Ricardo Rossetto) 

    Ricardo Rossetto

  • 14h37

    24/11/2017

    Loja de tintas na Teodoro Sampaio, na esquina com a Praça Benedito Calixto, está com várias promoções especiais de Black Friday, mas o movimento permanece o mesmo de qualquer outro dia. "Não melhorou nada. O máximo que aconteceu foi que alguns clientes que nos visitaram hoje ficaram surpresos com os descontos e disseram que voltarão semana que vem pra comprar. Resta esperar", lamenta o vendedor Renato Santos Brito. A loja informou que permanecerá com os descontos até 30 de novembro. (Ricardo Rossetto)

    Ricardo Rossetto

  • 14h12

    24/11/2017

    Além de abrir suas portas durante 24 horas nesta sexta-feira, 24, o shopping Market Place, em São Paulo, opera até o domingo, 26, com horário especial na maioria de suas lojas. 

  • 14h01

    24/11/2017

    No total, R$ 820 mil em transações fraudulentas foram evitadas, sendo que 61% deles vieram da região Sudeste.

  • 14h01

    24/11/2017

    De acordo com dados da ClearSale, desde a meia noite desta sexta-feira, 24, já foram realizadas 602 tentativas de fraudes no varejo online. Isso representa um avanço de 13% se comparado ao mesmo período do ano anterior.

  • 14h01

    24/11/2017

    O motivo principal é a maquiagem de desconto, ou seja, quando a oferta oferecido sobre o preço do produto ou frete não é real. A indisponibilidade de produtos em estoque foi a segunda maior queixa.

  • 14h01

    24/11/2017

    A empresa B2W Companhia Digital (dona de Submarino, Shoptime, Americanas.com), a casasbahia.com, extra.com e pontofrio.com lideram a lista com 19 queixas (11,88%, cada). Em seguida está a KaBuM!, com 7 reclamações. 

  • 14h01

    24/11/2017

    Apesar disso, o número de reclamações reportadas ao órgão oficial de defesa do consumidor, o Procon, é mais baixo. De acordo com balanço divulgado pelo Procon- SP, até as 11h de hoje, foram recebidas 160 reclamações. 

Estadão Blue Studio Express

Conteúdo criado em parceria com pequenas e médias empresas. Saiba mais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.