Brasil chega à marca de 73 Leões em Cannes

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Brasil chega à marca de 73 Leões em Cannes

Fernando Scheller

23 de junho de 2015 | 17h09

Lew'Lara\TBWA: criativos recebem Leão de ouro no festival Cannes Lions 2015

Lew’Lara\TBWA: criativos recebem Leão de ouro no festival Cannes Lions 2015

A boa performance do Brasil na categoria Outdoor elevou o número de Leões conquistados pelo País em 2015 para 73, incluindo os recebidos no evento paralelo Lions Health. Ontem, o Cannes Lions – Festival Internacional de Criatividade revelou os resultados de quatro categorias. A melhor performance nacional foi em Outdoor Lions, com 22 Leões para as agências brasileiras.

O País recebeu ainda 2 prêmios em Creative Effectiveness (eficiência criativa), 2 em PR (relações públicas) e 4 em Media (mídia). No ano passado, o Brasil contabilizou 107 Leões no festival de criatividade; em 2013, atingiu a marca recorde de 115 prêmios. Neste ano, 2,9 mil trabalhos nacionais concorrem em Cannes Lions.

Ouros. Entre os Leões recebidos ontem pelo Brasil, dois foram de ouro: uma para a Lew’Lara\TBWA, para uma campanha para a Fundação Abrinq, e outra para a Ogilvy Brasil, em uma peça publicitária desenvolvida para o Sport Clube Recife.

A campanha da Ogilvy tentou conscientizar a torcida do Sport sobre a questão da violência nos estádios. A agência e o clube treinaram mães de torcedores, sem que eles soubessem, para fazer a segurança de um jogo no estádio do time. A ideia, segundo o presidente da Ogilvy Brasil, Luiz Fernando Musa, foi mostrar aos torcedores que eles não devem fazer nada nos estádios que não fariam também em casa.

A Ogilvy, que nos últimos anos se destacou no Cannes Lions com campanhas como Retratos da Beleza Real, desenvolvida para a marca de sabonetes e cremes Dove, da Unilever, angariou mais de cem prêmios no festival nos últimos seis anos, de acordo com Musa. “Foi um reflexo direto da mudança que fizemos na agência”, explicou. “Hoje, sabemos que as pessoas vêm e vão, mas a cultura tem de permanecer e ser forte. E isso tem aparecido na forma de prêmios.”

O trabalho da Lew’Lara\TBWA para a Fundação Abrinq recriou imagens típicas de editoriais de moda em outdoors e pôsteres (a campanha também foi veiculada em mídia impressa) para trabalhar uma das causas da entidade, o combate ao trabalho infantil. As roupas mostradas na campanha eram listradas e, escondidas entre elas, era possível ver o rosto de uma criança.

“São imagens que poderiam ser de uma revista de moda, com o detalhe do que pode estar por trás da produção de uma roupa bonita”, explica Márcio Oliveira, presidente da Lew’Lara\TBWA. “A ideia da fundação é o combate ao trabalho infantil e a defesa do direito de toda a criança de brincar.

Pratas e bronzes. Em outdoor, a Young & Rubicam teve três pratas (duas para a sorveteria Freddo e uma para a cola Super Glue), enquanto Ogilvy (Sport Clube), F.biz (Saraiva), AlmapBBDO (Getty Images), Africa (editora L&PM),  Lew’Lara\TBWA (Fundação Abrinq), FCB (Nivea), Leo Burnett Tailor Made (Fiat) tiveram uma cada. Na mesma categoria, os bronzes foram para AlmapBBDO (quatro), Africa (quatro), Young & Rubicam, F/Nazca Saatchi & Saatchi e We Brasil.

Nas demais categorias, o Brasil teve dois prêmios em PR (prata para a Grey Brasil e bronze para a Ogilvy), dois em Creative Effectiveness (prata para Ogilvy e bronze para Leo Burnett Tailor Made) e quatro em Media (prata para Africa e três bronzes para Ogilvy, Publicis e Africa).

Tudo o que sabemos sobre:

cannes lionsprêmiopublicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: