Em Cannes, agências pregam Brasil mais real na publicidade
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Em Cannes, agências pregam Brasil mais real na publicidade

Palestras do Brazil Day mostraram intenção de ir além da estética das classes A e B

Fernando Scheller

20 de junho de 2014 | 06h37

Painel da DM9DDB durante o Brazil Day do festival Cannes Lions

 

Na tentativa de tentar vender itens cada vez mais caros e que tragam uma sensação de inclusão à população, a publicidade brasileira acaba falando para um público restrito, que não representa verdadeiramente o Brasil. A intenção de buscar um diálogo com todas as audiências, em vez de focar somente na realidade das classes A e B, foi um conceito que permeou as palestras de ontem no Brazil Day do Cannes Lions – Festival Internacional de Criatividade.

 

Segundo o presidente da JWT Brasil, Ezra Geld, as classes C e D querem melhorar de vida, ter acesso a novos produtos, mas isso não significa viver exatamente da mesma forma que os mais ricos, seguindo todos os seus gostos e aspirações. Uma pesquisa citada por Geld mostra que somente 33% das pessoas que moram em favelas têm intenção de deixar os locais onde foram criados. “Em Nova York, essa proporção é de 41%”, comparou.

 

Em 2013 e 2014, até a mais sagrada das apostas publicitárias – o futebol – mostrou-se um terreno com riscos. O vice-presidente de planejamento da Leo Burnett Tailor Made, Marcello Magalhães, lembrou a campanha “Vem pra Rua”, da Fiat. Os movimentos sociais, ao adotarem o jingle da propaganda, acabaram modificando totalmente o sentido de uma peça publicitária criada apenas com a intenção de exaltar a Copa do Mundo e o futebol brasileiro.

 

Outro debate social dos últimos meses citado durante as palestras foi o “rolezinho”, movimento em que jovens marcavam encontros no Facebook com o objetivo de fazer uso do espaço dos shopping centers. Houve também espaço para chamar a atenção para a emergência de novos estilos musicais extremamente populares, como o funk ostentação e o tecnobrega.

 

O painel da DM9DDB mostrou que, aos poucos, um “Brasil mais real” começa a pipocar, aqui e ali, em peças publicitárias. Os publicitários Laura Chiavone e Leo Macias mostraram que o funk vem sendo usado em campanhas da gigante holandesa C&A há dois anos. A empresa, aliás, já contratou também Gaby Amarantos, a “rainha” do tecnobrega, em comerciais.

Tudo o que sabemos sobre:

cannes lionspublicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.