Em Cannes, Monica Lewinsky vira ‘rosto’ contra o bullying na internet
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Em Cannes, Monica Lewinsky vira ‘rosto’ contra o bullying na internet

Fernando Scheller

25 de junho de 2015 | 17h26

Monica Lewinsky durante palestra em Cannes Lions

Monica Lewinsky durante palestra em Cannes Lions

A estagiária da Casa Branca que dominou as manchetes do fim da década de 90 após seu caso com o ex-presidente americano Bill Clinton vir à tona subiu ao palco do Cannes Lions – Festival Internacional de Criatividade, ontem, para encarar de frente o seu passado e advogar por uma causa: o combate ao bullying virtual. Sozinha no palco, a Mônica de hoje, 41 anos, refletiu sobre si mesma como a primeira vítima de uma prática cada vez mais comum: a destruição de reputações na internet. E desafiou a audiência: “Quem aqui não fez algo aos 22 anos de que se arrependa?”

Ela lembrou que ainda não existiam redes sociais em janeiro de 1998. No entanto, as primeiras notícias do envolvimento entre o presidente e a estagiária foram divulgadas online. “Eu fui rotulada e construída com base em pouca realidade e muita ficção”, disse Monica. “E houve, como nunca antes, uma corrida para o julgamento, nas seções de comentários dos sites de notícias e nos e-mails que circulavam sobre mim.”

Repetindo boa parte do discurso para a série TED Talks, que já teve 5 milhões de visualizações no YouTube, a ex-estagiária da Casa Branca fez algumas adaptações para relacionar sua causa – o bullying na internet – à audiência de publicitários e criativos. “Era uma questão de uma marca em crise. No meu caso, a narrativa da minha marca foi tirada de mim.”

Em um painel de Cannes Lions a que fotógrafos tiveram acesso limitado, Monica Lewisnky tentou chamar a atenção para a questão do bullying cibernético. Ela lembrou o caso do estudante Tyler Clementi, que cometeu suicídio aos 18 anos depois de ter imagens de uma relação sexual com outro homem divulgadas na web. A gravação foi feita por um colega de quarto, por meio de uma webcam.

À medida que o ódio virtual cresce nas redes sociais, a ex-estagiária propõe uma atitude mais compassiva aos usuários da web – inclusive com um site dedicado ao “uso da internet com amor”, o Upstandr.tumblr.com. “Muita gente pensa ‘por que agora’? Cansei de evitar o assunto e agora quero ter de volta a narrativa da minha vida”, diz. E considera que tem conhecimento de causa para falar do bullying: “Eu sou a prova de que você pode sobreviver à humilhação pública.”

Tendências: