Na segunda edição, festival Lions Health cresce 30%

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Na segunda edição, festival Lions Health cresce 30%

Fernando Scheller

19 de junho de 2015 | 03h34

Palácio dos Festivais, em Cannes, pronto para o início do Lions Health

Palácio dos Festivais, em Cannes, pronto para o início do Lions Health

O Lions Health, evento paralelo ao Cannes Lions – Festival Internacional de Criatividade, chega à segunda edição 30% maior. O festival,  que começa hoje e premia a publicidade da indústria farmacêutica e de produtos e serviços voltados ao bem estar, angariou 1.862 inscrições neste ano, contra 1.432 do ano passado. Há campanhas representando 60 países no Lions Health de 2015.

O festival é dividido em duas categorias: uma específica para peças publicitárias voltadas ao setor de saúde, como medicamentos e outros tipos de tratamentos, denominada Health. A segunda premiação é para Health & Wellness, que abriga tanto produtos que podem ser vendidos no varejo quanto serviços relacionados a uma melhor qualidade de vida.

De acordo com a organização do festival Cannes Lions, a premiação específica para o setor de saúde e medicamentos se justifica pelas barreiras impostas à criatividade dos profissionais que trabalham com o setor farmacêutico, que precisa cumprir regras restritivas e ainda assim buscar uma comunicação palatável com o público-alvo.

Logo, seria injusto que essas campanhas tivessem de concorrer com peças de setores menos regulados.  “De certa forma, as grandes marcas, como Nike e Coca-Cola, fazem a tarefa fácil, porque podem falar diretamente com o consumidor”, disse Philip Thomas, presidente do festival Cannes Lions, em dezembro passado, em visita ao Brasil. “Na área de saúde, a propaganda de remédios que necessitam de receita médica é simplesmente proibida em alguns países.”

É por isso que o festival Lions Health segue regras diferentes das aplicadas ao Cannes Lions. A criatividade contribui apenas com 35% do peso da avaliação do júri. Os 65% restantes das notas são dadas para itens estratégicos e práticos, como relevância da mídia escolhida (muitas vezes, as campanhas são veiculadas em revistas especializadas em medicina, por restrições legais), execução e resultados traduzidos em vendas.

Participação brasileira. O número de inscrições brasileiras no festival Lions Health praticamente deu um salto de quase 90% em relação a 2014, passando de um total de 98 para 185. A principal aposta da agências brasileiras está no setor de bem-estar e saúde, que concentrou 171 trabalhos inscritos.

O Brasil ganhou, no ano passado, nove Leões no festival paralelo: oito em Health & Wellness e um em Pharma, liderando a competição global em número de troféus.

Entre as peças nacionais que foram premiadas no ano passado destacou-se o Leão de Ouro para a campanha Meu Coração é Vermelho e Preto, da Leo Burnett Tailor Made, para o Esporte Clube Vitória, da Bahia. A peça, que incentivava os torcedores do time baiano a doarem sangue, foi premiada em Health & Wellness. Em Pharma, o Brasil recebeu uma prata para a JWT, para Superfórmula para Combater o Câncer, para o hospital AC Camargo.

O Brasil está representado no júri das duas categorias do festival Lions Health. Em Health & Wellness, foi escolhido Ricardo John, vice-presidente de criação da JWT; em Pharma, o representante é Emerson Braga, vice-presidente de criação da Revolution Brasil.

Tudo o que sabemos sobre:

cannes lionsprêmiospublicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: