As ideias econômicas de Dilma Rousseff em frases

Estadão

28 de outubro de 2010 | 00h00

“Eu não vou fazer ajuste fiscal em hipótese alguma por um motivo: o Brasil não precisa mais de ajuste fiscal” (30/08/2010 )

“Acho que o IOF sempre foi uma das medidas também para impedir mais a especulação do que qualquer outra coisa, inibir a especulação.” (06/10/2010)

“Vamos ter que aumentar a competitividade da indústria brasileira. Tanto através de uma reforma tributária, quanto de um processo de melhoria do endividamento público.” (06/10/2010)

“Eu considero que o ajuste fiscal não tem uma relação direta com o câmbio. A questão do câmbio diz respeito, no caso dos Estados Unidos e dos países desenvolvidos, ao fato de eles estarem numa crise profunda. Essa crise profunda não vai ser resolvida por ajuste fiscal.” (06/10/2010)

“A terceira idade está ficando difícil. A gente vai ter de estender ela um pouco mais para lá.” (sobre a gestão da Previdência em 31/05/2010)

“Tivemos de diminuir o superávit primário por causa da crise, mas já retomamos e devemos fazer 3,3% este ano. E é obvio que o crescimento da economia nos possibilita acréscimo no Fundo Soberano, por que não?” (25/05/2010 )

“Precisamos de instituições assegurando funding, mas temos de ter também formas não bancárias, como é o mercado de capitais.”(25/05/2010 )

“Não é cortar gastos de custeio, mas gastos de custeio que não são racionais para o País e seu investimento.” (25/05/2010 )

“Do jeito que está é muito bom. Não é necessário a gente introduzir nenhuma modificação e não acho prudente mexer em time que está ganhando.” (sobre a autonomia do Branco Central, em 11/05/2010 )

“Não podemos ficar só com o BNDES. Vamos ter que mobilizar todos os recursos financeiros que nós dispomos. Não se faz política de infra-estrutura baseado no Orçamento da União, dos Estados e Municípios. Tem que completar com financiamentos de longo prazo.” (11/05/2010 )

“Nós não vamos ser complacentes com a inflação em momento algum. Esse compromisso é meu também, com a estabilidade que no Brasil foi conquistada a duras penas.” (29/04/2010)

“Do ponto de vista do projeto que represento, achamos que acabamos com a miséria na próxima década.” (20/04/2010 )

“Eu não entrego o meu País, vocês jamais me verão assumindo decisões que levam à perda das riquezas do País ou à venda de seu patrimônio.” (17/04/2010 )

“Não vou diminuir o Estado, diminuir o seu papel, ao ponto de se tornar omisso e muitas vezes quase inexistente.” ( 10/04/2010  )

“Se tem um único ministério que eu acredito que é importante era um ministério para os pequenos e médios empresários industriais e de serviços.  Penso seriamente, mas não vou falar em criação de ministério.” ( 06/04/2010 )

“Manter a estabilidade econômica, com equilíbrio fiscal, controle da inflação e câmbio flutuante.” (20/02/2010 )

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.