Mulheres avançam na tecnologia no Brasil

Mulheres avançam na tecnologia no Brasil

Recém-encerrada, a Campus Party Brasil mostrou que as mulheres já respondem por quase metade da participação; a evolução se deve aos role models e ao ativismo

Adriana Salles Gomes

07 de fevereiro de 2017 | 15h17

Hedy_Lamarr630

A Campus Party Brasil completou dez anos na edição encerrada no último domingo lá no Anhembi, em São Paulo. Em seu primeiro ano (2008), 100 mulheres a frequentaram – o equivalente a 3% do total de campuseiros. Em 2017, foram cerca de 3.200 mulheres, 40% do total. Um mega aumento, QUASE MEIO A MEIO. Houve avanço até em relação a 2016, quando 2.880 mulheres deram as caras por lá (36% do total). Isso sem contar as palestrantes, bem representadas nos vários palcos.

(Esperem, daqui a pouco explico a foto acima.)

Mesmo que não traduza empregos ou renda, esse é um indicador  importante do futuro próximo e uma conquista e tanto. Em primeiro lugar, a tecnologia funciona como um acelerador para quase tudo, inclusive para derrubar barreiras e igualar oportunidades para homens e mulheres. Em segundo lugar, como o trabalho de tantas organizações não governamentais já mostrou, ao impactar uma mulher, você não muda só a vida dela, mas costuma mudar a vida de toda a sua família e da comunidade de que ela participa – o efeito de rede é maior do que no caso dos homens. Em terceiro lugar, porque a tecnologia, especialmente a digital, está fazendo diferença em qualquer setor de atividade que a gente observe, da medicina à indústria, da educação aos serviços e à agropecuária. Estar distante da tecnologia digital, em última análise, significa estar distante da economia do século 21.

A conquista merece ser celebrada ainda (ou talvez principalmente) porque representa, no Brasil, o sucesso do esforço de mobilização feminina no contra um quadro adverso. Apenas 15,53% dos alunos de cursos relacionados à computação são mulheres; 79% das alunas dos cursos relacionados com TI desistem no primeiro ano e 41%das mulheres que trabalham com tecnologia acabam deixando a área, em comparação com apenas 17% dos homens.

Não foi só lá fora se formaram vários grupos de mulheres de TI (PyLadies, MariaLab, TechMums, Code Girl etc.); aqui temos vários, entre os quais a plataforma MasterTech, o blog Meninas na Computação, a PrograMaria (onde peguei os dados acima) e o programa 50+. E os role models não só americanos, como as executivas Ginni Rometty (CEO mundial da IBM) e Sheryl Sandberg (COO do Facebook); temos role models brasileiros, ainda que menos midiáticas, como as empreendedoras tech Camila Achutti, a Iana Chan e a Tássia Chiarelli.

(Ainda não chegamos à foto acima.)

Cito esses casos específicos porque os conheci mais de perto no ano passado, no Fórum Empreendedoras, e vou contar um pouquinho do ativismo delas e do porquê de serem role models.

ROLE MODELS E ATIVISTAS

Camila-Achutti_1-e1440789730476Camila é a role model por excelência, articulada, divertida, inspiradora até não poder mais. Formada em ciência da computação pelo IME-USP e com estágio disputados na bagagem (no Google em Mountain View e no CTH – Centro Tecnológico de Recursos Hídricos e Hidráulica do Estado de São Paulo), ela fundou duas startups promissoras. A Ponte 21, que tem o Google entre seus clientes e promete acelerar a inovação das empresas (inclusive as estabelecidas) criando um MVP (produto mínimo viável, na sigla em inglês) em oito semanas. E a MasterTech, uma plataforma de desenvolvimento contínuo de habilidades do século 21 com cursos imersivos em tecnologia, marketing e design, coisas tipo internet das coisas, scrum etc., presenciais e online, para pessoas físicas e corporativos.

Do lado da mobilização, a Camila agita as coisas por meio do blog Mulheres na Computação, que é referência para muita gente nessa área e é embaixadora do Technovation Challenge Brasil, um desafio de tecnologia e empreendedorismo só para garotas.

iana-chan-500x583Iana, jornalista, é role model porque fez a passagem – diferentemente da Camila, que era filha de programador, Iana cresceu num sítio e migrou para o mundo da tecnologia. E ela é Community Manager da Liga Ventures, uma aceleradora totalmente dedicada a conectar startups e grandes empresas.

Como mobilizadora, Iana fundou, sem fins lucrativos, a PrograMaria, iniciativa que visa empoderar mulheres por meio da tecnologia e da programação trabalhando três pilares: inspirar, debater (a falta de mulheres no ambiente tecnológico) e fazer aprender.

lattes_Tassia-e1469041582713Tássia, gerontóloga, é role model porque foi uma das ganhadoras do concorrido prêmio Mulheres Tech em Sampa de 2015, faz mestrado em gerontologia pela USP e fundou a startup OPA – Orientação Particular e Acompanhada, que atende ao público que envelhece, transformando seu tempo disponível em oportunidade, como diz seu slogan (e, assim, soube ligar a tecnologia a uma megatendência demográfica). O que a OPA faz é organizar eventos com idosos, visitas a museus, idas ao teatro, cursos, palestras Outra coisa bacana da Tássia é ela estar indo além, estudando as relações sociais dos idosos no contexto do Facebook.

No aspecto ativismo, Tássia lidera o projeto “Mulheres 50+ em Rede”, um curso de capacitação digital gratuito para empreendedoras a partir de 50 anos de idade.

(E a foto lá do alto?)

OBSTÁCULOS E
O QUE FAZER A RESPEITO

Em um debate durante o Fórum Empreendedoras 2016, as três deixaram claros os obstáculos das mulheres na área tecnológica: (1) elas têm de provar competência dez vezes maior do que os homens para se firmar nas carreiras de tecnologia e ainda ganham 80% do que eles ganham; (2) quando um homem erra, é normal; quando uma mulher erra, ela compromete todas as mulheres, o que representa uma enorme pressão; (3) há dois problemas principais: dificuldade de inserção e de dificuldade de ascensão.

As medidas para vencer esses obstáculos têm de ser gerenciais e comportamentais. Entre as gerenciais, estão o incentivo à contratação de profissionais mulheres para os cargos de TI (por exemplo, a presidente da Microsoft Brasil, Paula Bellizia, exige que haja sempre mulheres entre os candidatos a cada vaga), investimentos financeiros para as mulheres em TI (bolsas para estudarem, como faz o Women in Technology Summit, ou premiações por desempenho e conquistas).

Do lado comportamental, o ambiente deve ser receptivo à diversidade, acolhedor até, em vez de favorecer apenas o tipo nerd Star Trek. E, mais importante, mulheres – e homens – não devem silenciar diante das piadinhas e manifestações sexistas contadas no meio tech (há quem relate até cenas de bullying), vencendo o medo de ser desagradável,de parecer politicamente correta demais, ou mal-humorada, de ser vista como alguém que se vitimiza ou patrulha.

Por exemplo, Camila costuma responder às piadinhas que ouve contando histórias de mulheres bem-sucedidas em tecnologia como a austríaca Hedy Lamarr (1914-2000), a famosa atriz de Hollywood da foto de abertura (AGORA, SIM!) que é considerada a mãe da telefonia celular.

Sabia dessa? (Eu não sabia até há pouco tempo.)

MAIS INSPIRAÇÃO

A leitora (ou o leitor) quer fazer como a Camila e se posicionar em relação aos comentários estereotipados e sexistas que tornam o ambiente de trabalho inóspito para mulheres, especialmente na área tech? Se sim, a bela Hedy Lamarr é um prato cheio. Ela desenvolveu, com George Antheil, o que chamava um “sistema de comunicações secreto” – umaequipamento transmissor de rádio que, sincronizado com outro receptor similar, podia ir mudando de freqeência se ambos estavam sincronizados na época da Segunda Guerra Mundial. Isso permitia evitar que o inimigo pudesse receber a comunicação e é considerado a tecnologia-base para o GPS, o wi-fi e a telefonia celular como um todo.

Mais um item para seu repertório? Ada Lovelace (1815-1852), condessa e filha do célebre Lord Byron, é considerada a primeira programadora do mundo, ou seja, a primeira pessoa (não mulher, pessoa) a casar as capacidades matemáticas de máquinas computacionais com as possibilidades de aplicação com imaginação.Ela fez um complemento para o Mecanismo Analítico de Babbage escrito em 1843, em que delineou quatro conceitos que moldariam o nascimento da computação moderna um século mais tarde. O primeiro dos conceitos foi o de uma máquina capaz não só de executar tarefas pré-programadas como de ser reprogramada para executar uma gama praticamente ilimitada de operações – qualquer semelhança com o computador moderno não é coincidência.

Telefonia celular e computador têm os dedos de mulheres. Fora isso, você pode ir assistir ao filme Estrelas Além do Tempo, que entrou em cartaz, e a série Bletchley Circle na Neflix, que não é real, mas inspirada em mulheres analistas  reais do Bletchley Park, o lugar onde os ingleses decifravam os códigos dos alemães durante a Segunda Guerra.

Eu estava na Campus Party e senti na pele a mudança – quantitativa e qualitativa. Não só as mulheres compareceram em peso, claramente, como sua presença se fazia notar. Silenciosamente (ou nem tanto), as coisas estão mudando.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: