Ainda sobre o Consecitrus

Estadão

22 de outubro de 2010 | 17h03

Para o presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), Marcos Jank, a criação do Consecitrus está caminhando e o conselho deve sair, apoiado principalmente nas similaridades que as cadeias da cana e da laranja têm. “Assim como a cana, a laranja é um produto perecível e a negociação deve obedecer a um raio limite, não se pode sair vendendo laranja por aí. Assim como o produtor de cana recebe pelo teor de sacarose, os produtores podem receber pelo teor de sólidos solúveis, que é o rendimento da fruta na indústria”, disse Jank, hoje, em evento do setor sucroalcooleiro em São Paulo.

Jank também destacou o fato de o produtor de laranja ser muito dependente da indústria, situação semelhante à da cadeia produtiva da cana. “As bases do Consecana dão uma amarração perfeita com a laranja, que hoje se caracteriza pela deterioração da relação produtor-indústria”, afirmou. O presidente da Unica ainda se mostrou confiante no Consecitrus, apesar do temor da Associtrus de que haja um esvaziamento da acusação de formação do cartel no Cade, pela indústria, caso o conselho seja criado (Ver post). “Um determinado grupo de produtores está preocupado com o reconhecimento do processo do Cade, mas há um outro grupo, que está se formando em volta da Sociedade Rural Brasileira, que quer o conselho. E a indústria também quer.”

Siga o Agrícola no Twitter.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.