Livro mapeia história dos agrotóxicos

Estadão

21 de setembro de 2010 | 14h45

“O agrotóxico ideal é aquele que é usado corretamente. Usado corretamente, ele é seguro para quem consome e para quem produz”, me disse o toxicologista Keith R. Solomon, diretor do Centro de Toxicologia da Universidade de Guelph, no Canadá. Referência no assunto, Solomon esteve em São Paulo, semana passada, para lançar o livro Praguicidas e o Meio Ambiente, do qual é autor junto com o pesquisador canadense Gerald Stephenson e com dois toxicologistas brasileiros: Cristiana Leslie Corrêa e Flávio Zambrone.

A conversa era sobre a busca das indústrias de defensivos químicos pela “molécula ideal”, aquela que, aplicada, não apenas debele a praga ou a doença, mas que depois se degrade, suma do ambiente sem deixar qualquer resíduo. Nas pesquisas, desde o começo dos anos 90, predomina a biologia molecular, que procura desenvolver produtos com baixa toxicidade e alta seletividade.

Zambrone, que foi professor da Unicamp por mais de 20 anos e hoje é presta serviço de consultoria na área de toxicologia, explicou que os agrotóxicos estão cada vez mais seguros e menos agressivos e que, no campo, o agricultor deve acompanhar a evolução das pesquisas fazendo o uso correto desses produtos. Usar equipamentos de proteção individual, os chamados EPIs, ainda não faz parte da rotina de muitos aplicadores de agrotóxicos, por exemplo. “Isso vai pode levar gerações para mudar. Temos de fazer campanhas e mais campanhas para estimular o uso de EPIs no campo.” Zambrone cita, ainda, a aplicação de dosagens de agrotóxicos acima do indicado e o não respeito ao período de carência dos produtos.

No livro, lançado pela International Life Sciences Institute do Brasil (Ilsi Brasil), os autores mapeiam a história e as controvérsias dos praguicidas no mundo desde a metade do século 20. Coube à Zambrone e Cristiana, além da coordenação da tradução e adaptação do original, fazer a revisão técnica e a elaboração de tópicos relacionados ao Brasil, como um sobre a legislação de praguicidas no País.

Siga o Agrícola no Twitter.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.