Rally da Safra vai percorrer 11 Estados e monitorar condições das estradas

Estadão

27 de janeiro de 2011 | 18h10

Edição desde ano irá medir perdas na colheita, causada por máquinas velhas ou mal operadas. Foto de Epitácio Pessoa/AE

Começa no dia 31 de janeiro a oitava edição do Rally da Safra, tradicional expedição pelos principais polos produtores de grãos no Brasil, cujo objetivo é produzir um estudo de campo detalhado sobre a produção nacional de grãos. O evento foi anunciado hoje, em coletiva de imprensa realizada pela Agroconsult, responsável pela organização do rally.

Ao todo, dez equipes irão percorrer, até o dia 27 de março,  mais de 55 mil quilômetros, colhendo amostras em lavouras de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Bahia, Tocantins, Piauí e Maranhão.

Além de confirmar as perspectivas traçadas para a safra 2010/2011, que são de 70,3 milhões de toneladas de soja e de 32,6 milhões de toneladas de milho (um crescimento de 3,7% em relação à safra passada), a expedição fará pela primeira vez um levantamento das perdas na colheita da soja, segundo explica o diretor da Agroconsult e coordenador do Rally da Safra 2011, André Pessôa. “A frota de colhedoras no Brasil é velha e os operadores nem sempre recebem treinamento adequado. Isso aumenta as perdas na lavoura. Por isso vamos fazer um levantamento dessas perdas por região, tanto nas variedades precoces, quanto nas tardias”, diz Pessôa.  De acordo com ele a metodologia utilizada foi desenvolvida pela Embrapa Soja e permitirá, ao fim do processo, dizer a quantidade de sacas que fica no campo por ineficiência do equipamento e da sua operação.

Outra novidade desta edição será a avaliação das estradas rurais por onde a expedição passará. Segundo Pessôa, o método de avaliação desenvolvido pela Esalq-Log estabelece quatro escalas de notas. “Ao entrarmos  na estrada, ela será marcada no GPS e, quando sairmos dela, atribuiremos uma nota”, diz.

A largada do evento ocorrerá em Cuiabá (MT), primeira região com colheita de soja no País. Inicialmente os técnicos irão visitar  lavouras de soja precoce em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Paraná. Depois, retornam para essas regiões para acompanhar as lavouras de ciclo médio e tardio. Em seguida, uma equipe irá avaliar a safra de milho em toda a Região Sul. A exemplo  do Centro-Oeste, essa equipe retornará depois para acompanhar a soja. Por fim, a expedição termina nas regiões de calendário mais tardio como Bahia, Maranhão, Piauí e Tocantins.

Em todas as lavouras por onde as equipes técnicas passarem serão colhidas amostras de solo para estudo de fertilidade da terra e tipo de adubação utilizada. A produtividade também será mensurada e a expectativa de Pessôa é a de que ela supere as 49 sacas (de 60 quilos) por hectare, um recorde.

A esquipe da Agência Estado (AE) acompanhará duas das equipes de pesquisa. A primeira, que passará pelo norte e oeste de Mato Grosso. E a terceira, que passará pelo centro e sul de Mato Grosso do Sul e Norte e Oeste do Paraná.

Para mais informações sobre os roteiros, acesse o site do evento: www.rallydasafra.com.br

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.