Impeachment: projeções atualizadas indicam 71% de votos favoráveis

Apesar da grande movimentação observada em Brasília, os resultados das projeções para o impeachment pouco se alteraram: o "sim" deve ser a opção de 71% dos deputados

Eduardo Zylberstajn

16 de abril de 2016 | 13h10

Ao longo da semana o blog postou projeções para o resultado da votação do impeachment. As projeções resultam de uma modelagem estatística feita pelos pesquisadores Guilherme Stein (FEE/RS), Marcelo Griebeler (UFRGS) e Eduardo Zylberstajn (Fipe e EESP/FGV) com base nos votos computados pelo Placar do Impeachment do Estadão, atribuindo probabilidades aos parlamentares indecisos ou que ainda não declararam seus votos. Nesse post explicamos um pouco mais sobre a metodologia.

Nessa sexta-feira iniciou-se a sessão de votação do processo. No momento em que este texto é escrito, 344 deputados haviam se declarado favoráveis ao impeachment e 133 manifestaram-se contra. Com essas informações, projetamos que o total de votos favoráveis ficará próximo a 363, devendo estar dentro do intervalo entre 357 e 370. Esse resultado seria suficiente para garantir a continuidade do processo e seu envio ao Senado.

Nessa última projeção antes da votação, cabem alguns comentários. Primeiro, esse foi um exercício científico, com o objetivo de aplicar uma metodologia estatística e ajudar na disseminação da informação para toda a sociedade. Segundo, é interessante notar que ao longo da semana os resultados mudaram pouco, mesmo com a grande movimentação dos políticos. Isso indica que o modelo capturou relativamente bem as probabilidades de voto desde o começo e que as manifestações de intenção seguiram o que seria esperado. Mesmo deputados que já avisaram que estarão ausentes, como Aníbal Gomes e André Abdon, tinham probabilidades baixas de votarem “sim” (4% e 0% respectivamente). Apesar de não descartarmos um possível “estouro da boiada” depois da definição do resultado, nosso modelo segue apontando para um resultado relativamente apertado.

 

Tudo o que sabemos sobre:

criseestatísticaimpeachment

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: