Ajudar a trocar pneu

Parece que ser gentil com uma mulher saiu de moda. Parece que hoje isso é feio...

Antonio

26 de novembro de 2019 | 08h00

Até alguns anos atrás, era comum pararem para ajudar mulheres a trocar pneu na beira da estrada. Aliás, não era apenas na beira da estrada, os homens paravam na cidade também.

Tinha um certo encanto, tinha a remotíssima possibilidade de alguma coisa continuar, mas, basicamente, era para ajudar mesmo. Trocar o pneu e mais nada.

O problema é que trocar pneu ficou uma atividade perigosa. Você vê o carro parado, a mulher com a chave de roda na mão, ar de quem não sabe o que fazer, para e é assaltado.

Os assaltantes são criativos. E uma jovem bonita não tão difícil de encontrar. É colocá-la ao lado do carro e esperar. Ou era.

Hoje os homens pensam duas vezes antes de parar, até porque, se não fosse a possibilidade do assalto, um número cada vez maior de mulheres não quer – nem precisa – ajuda de homem.

Elas se bastam. Abrem porta do carro, puxam cadeira no restaurante e pagam conta sem pedir, nem precisar da ajuda de ninguém.

E se elas fazem isso, também trocam pneus, chamam o auxílio 24 horas da seguradora e se dão muito bem, sem auxílio ou palpite de homem.

Parece que ser gentil saiu de moda. Ou porque a mulher não quer, ou porque o risco de assalto é real e inibe qualquer gesto de boa vontade de quem quer que seja.

Eu sou da época em que dar flor, abrir a porta do carro ou puxar a cadeira do restaurante era legal. Não era visto como um ato de superioridade masculina ou submissão da mulher. Da mesma forma que acender o seu cigarro… Não tinha competição, superioridade ou qualquer outra coisa no gênero. Era apenas natural e o que se esperava de um homem bem educado. Enfim, os tempos mudam. Hoje isso é feio.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.