As eleições estão chegando

Nos próximos dias estaremos definindo o futuro do Brasil. Não é brincadeira! Pense nisto!

Antonio

05 Outubro 2018 | 11h02

As eleições estão chegando. Com elas, o Brasil tem um encontro definitivo com seu futuro. Ou vamos em frente ou ficamos onde estamos, andando de lado pelos próximos vinte anos.

Eleição não é vingança, nem vontade de ser do contra, nem palco para a rebeldia dos anos 1960, nem qualquer outro assunto ou razão fora da decisão do destino que nós queremos dar para nosso país, para nosso futuro e para o futuro de nossos filhos e netos.

Os resultados desta eleição nos condenarão a seguir uma única trilha durante muitos anos e, se for a trilha errada, a peregrinação em deserto áspero será ainda mais longa.

Não temos tempo para experiências, joguinhos, ou achar que, como está ruim, tanto faz, se estourar estourou.

Não é por aí. Muitos se lembram das consequências da última vez que votamos assim. O impeachment de Collor foi o coroamento de uma série de desastres que não precisavam acontecer, não fosse ele ser quem era. Com ele, o resultado era favas contadas. E o resultado foi o impeachment.

O tema é recorrente. Dilma Rousseff foi impichada porque fez o que não poderia fazer, não uma, mas dezenas de vezes. Jogou o Brasil na maior crise de sua história e o curioso é que faz de conta que não é com ela.

O que está em jogo é a possibilidade da retomada rápida do crescimento econômico. As questões éticas ficam para depois, até porque são mais difíceis e mais demoradas de serem enfrentadas.

Ética passa por educação e saúde pública. A retomada do crescimento passa por gente competente, com coragem para fazer o que precisa ser feito. Pense nisso. Governar não é dizer que faz, nem dar porrada ou se vender puro e imaculado. Governar é abrir oportunidades, negociar, levantar a bola e deixar chutar. Não é qualquer candidato que faz isso.