coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Benedito Lima de Toledo

Um arquiteto, professor da USP, mas, acima de tudo, um artista apaixonado por São Paulo. Agora foi continuar o seu trabalho lá no paraíso!

Antonio

22 de agosto de 2019 | 07h07

A morte de Benedito Lima de Toledo deixa os que amam São Paulo órfãos de um dos mais importantes intelectuais que estudaram a cidade. Se Paulo Bomfim cantava a alma paulistana, Benedito Lima de Toledo retratava o corpo, a matéria de que São Paulo é feita, e que, apesar de todos os pesares, forma uma cidade que é fascinante, maravilhosa e com particularidades únicas, criadoras de um espaço com características próprias, espalhada por uma imensa área onde os rios correm ao contrário e as montanhas fecham os horizontes.

Arquiteto, professor da USP, mas, acima de tudo, artista apaixonado por São Paulo, Benedito Lima de Toledo mostrava a cidade em fotos deslumbrantes, mas, tão importante quanto isso, em análises profundas explicadas de forma simples, ao alcance do cidadão comum.

Os livros de Bendito Lima de Toledo mostram a cidade em fotos com movimentos especiais, que a fazem, apesar da folha estática, dinâmica como as ruas retratadas, como o trânsito alucinado, como a pressa que pauta os paulistanos, até quando o assunto é um chope no fim da tarde.

Benedito Lima de Toledo tinha a capacidade de ler as linhas das mãos, as digitais que identificam São Paulo em cada esquina, cada rua, cada avenida, nos parques e praças que permeiam a cidade.

Mas Benedito Lima de Toledo era mais que estudioso. Era um homem diferenciado pela inteligência, pela cultura, pela educação, pela índole que o fazia calmo, ponderado, paciente e didático, sem ser pedante.

Conversar com ele era ouvir uma aula. Aula sobre São Paulo, sobre arquitetura, mas, principalmente, aula de civilidade, coisa cada vez mais rara nos dias que correm.

Benedito Lima de Toledo foi para o paraíso, estudar as colunas da eternidade e entender como lá tem lugar para tantas almas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: