Campanha de vacinação

A vacina protege contra alguns tipos de vírus. E contra esses vírus a vacina funciona, é eficiente e deve ser tomada. Afinal, isso reduz em muito os problemas de saúde que você pode vir a ter nos próximos meses de inverno.

Antonio

10 Maio 2018 | 12h57

Gripe mata. Lembre-se da gripe espanhola que matou milhões de pessoas no mundo, logo depois da primeira guerra mundial. Gripe que atingiu o Brasil e também matou muita gente por aqui.

Lembre-se que todos os anos a gripe mata milhares de pessoas no mundo e o Brasil não foge à regra, morre muito brasileiro também.

Lembre-se que a gripe é viral e por isso muda constantemente. O vírus muda, sofre transformações e algumas cepas escapam da vacina, mas isso não quer dizer que as pessoas não devem se vacinar. Ao contrário, devem, e devem vacinar os filhos que não podem decidir por si.

A melhor proteção contra a gripe, que aumenta brutalmente de incidência nos meses de inverno, é a vacina. Vacina que não tem o dom de acabar com todas as gripes, mas é a forma de proteção mais eficiente para o ser humano.

Acredite, a vacina funciona. Se não imuniza contra todos os vírus, invariavelmente faz com que os efeitos da gripe sejam reduzidos. Cheguem mais fracos, ataquem menos os pacientes, reduzindo a mortalidade.

Não deixe de se vacinar. A rede pública está vacinando e a ideia é vacinar milhões de brasileiros contra o vírus, ou melhor, contra três tipos de vírus que são os mais comuns e mais agressivos.

É verdade, outros tipos de vírus estão por aí e a vacina não tem a capacidade de evitar a doença transmitida por eles.

Isso não é razão para você acreditar que a vacina não funciona, que ela não é eficiente e que por isso não deve ser tomada.

Tome a vacina. Se vacine. Se proteja. Não corra riscos desnecessários em nome de teorias mirabolantes sobre a ganância dos laboratórios. Eles querem ganhar dinheiro, mas é a possibilidade de lucrarem que fez a expectativa de vida quase dobrar em 50 anos.