As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Crônica

Crônica da Cidade

Antonio

08 Julho 2016 | 08h21

A Crônica da Cidade nasceu em 1992, na Rádio Eldorado, com a missão de mostrar o lado bom e bonito de São Paulo. Com o tempo foi se sofisticando e se tornando crítica porque São Paulo é muito complicada e não tem como não falar do lado feio e triste. Ou criticar quem agride ou não gosta da cidade.

Abaixo egue o texto da Crônica de hoje na Rádio Estadão

PERRIER X SAN PELLEGRINO

Eu tenho um amigo importante e sofisticado que entende de coisas importantes e sofisticadas.

Ele já dirigiu Ferrari pelas estradas vicinais das serras italianas, Porsche pelas autoestradas alemãs, Aston Martim em autódromo sei lá em que parte do mundo. E quando está na Europa, o carro que ele usa, com motorista, é claro, é um Bentley com certa idade, porque, segundo ele, Bentley zero é carro de novo rico.

Tenho outros amigos que discordariam dele, mas como eu não entendo nada de Bentleys e nunca dirigi Ferrari nem em autorama, em prol da concórdia, aceito as duas posições.

Meu amigo é muito chique. Não bebe qualquer uísque, não bebe qualquer champanhe, não bebe qualquer gim e não aceita a ideia de beber vodca se não for não sei de que marca, importada de um lugar improvável.

Vinho com menos de 10 anos é vinagre. Coisa de gente sem paladar. O ideal são os vinhos europeus, mas, fora da Europa, vinhos do novo mundo podem ser bebidos, é evidente que respeitadas suas limitações e sem comparações com os “gran crus” franceses. E vinho branco se bebe um pouco mais que fresco, enquanto o tinto, claro que em copos apropriados, um pouco menos que fresco.

Meu amigo veste casacos e jaquetas de Bergedorf Goodman. Mas seus sapatos são italianos e os ternos feitos sob medida num alfaiate de Saville Road. As camisas, surpreendentemente são de seu camiseiro brasileiro, homem de absoluta confiança há mais de 20 anos.

Mas o dia em que meu amigo realmente se superou foi quando, numa discussão a respeito de água e suas inúmeras variações em volta do mundo, ele disse que, por causa do estômago, só bebia Perrier. Segundo ele, San Pellegrino até que é boa, mas lhe dava um pouco de azia.