Doar sangue

Se Deus quiser, você nunca vai precisar, mas o problema não é você, são os outros... e acidentes acontecem. Se chegar a sua hora, é bom saber que tem sangue!

Antonio

18 de novembro de 2019 | 11h06

Os estoques de sangue do Banco de Sangue da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo estão assustadoramente baixos. Alguns tipos de sangue estão nas últimas bolsas e a situação não tem melhorado com a rapidez que seria necessária.

Não conheço os estoques dos demais bancos de sangue da capital, mas, tomando por base o que acontece na Santa Casa, é possível dizer que a situação está muito complicada. Os estoques de sangue estão baixos e isso é péssimo, porque centenas de pessoas podem ficar sem sangue em caso de acidente ou outra intercorrência que peça uma transfusão.

Doar sangue é um ato de extrema generosidade. É humano, é belo, faz bem para alma e, o que é muito importante, não dói.

Mas doar sangue é mais do que isso. É um ato de inteligência. Ninguém sabe quando precisará de uma transfusão, quando sofrerá um acidente, quando terá necessidade de uma cirurgia de emergência.

São fatos que acontecem e, se Deus quiser, não acontecerá com você, mas prevenir é muito melhor do que remediar.

O problema não é você, o problema são os outros, ou o destino, que de repente pega pesado e faz você necessitar de uma transfusão de sangue.

Ok, você não bebe, dirige de acordo com as regras, respeita todos os semáforos vermelhos, não faz nada errado e, no entanto, na contramão, vem um motorista completamente bêbado, em excesso de velocidade, dirigindo um veículo com pneus carecas e pastilhas de freio vencidas. Não tem como desviar, ele bate de frente e você se machuca seriamente. Não acontece? Acontece. Hoje não foi com você, mas amanhã pode ser. Se todos doarem sangue, se tiverem um pouco de solidariedade humana, as chances de cura serão muito maiores.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.