Doe sangue

O verdadeiro heroi é quem enfrenta o cotidiano sem medo. Doar sangue apenas engrandece sua lista de boas ações. Por que não?

Antonio

12 de junho de 2018 | 09h39

Você já doou sangue? Já parou para pensar que um dia, por um destes acasos da vida, você pode precisar de uma transfusão? Já imaginou que o banco de sangue pode estar com os estoques baixos e sua transfusão pode demorar e sua vida correr risco porque as bolsas salvadoras terão que vir de algum outro lugar? Já pensou que, sem sangue, milhares de pessoas podem morrer? Isso mesmo. Estão permanentemente ameaçadas. E entre elas pode estar você.

Doar sangue não dói, não deixa sequelas, não faz mal à saúde, ao contrário, faz bem ao espírito, melhora a moral, dá sensação do dever cumprido.

A solidariedade não tem sido a marca registrada do brasileiro. Todos os dias, exemplos de egoísmo se multiplicam de todas as formas, a começar pelo trânsito, onde espertos e egoístas não se preocupam um minuto em parar o tráfego da rua porque querem entrar à esquerda, mas são espertos e querem furar a fila, por isso vão pela pista da direita.

Para não falar nos bandidos bonzinhos, na visão do ministro Gilmar Mendes, que tungam grana da saúde, da educação e da segurança pública, mas não são violentos, porque matam milhares de pessoas no atacado, mas não puxam o gatilho, nem dão a paulada no varejo.

Você pode fazer a diferença. Doando sangue você tem a oportunidade de mostrar que o brasileiro é solidário, pensa no próximo e está disposto a dividir para que todos tenham uma vida melhor.

Cabe a cada um de nós fazer a nossa parte. A Pátria não espera atos heroicos. O verdadeiro herói é quem sai de casa de manhã cedo e faz da melhor forma possível o que lhe compete fazer. É quem enfrenta o cotidiano sem medo. Doar sangue engrandece sua lista de boas ações. Por que não mais uma? Quem receber seu sangue desde já agradece.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: