E a saúde?

Antonio

05 Novembro 2018 | 17h43

A palavra de ordem é educação. O Brasil precisa educação. Nossa educação está errada, não forma bons cidadãos, não forma bons profissionais, não forma a juventude que sai da escola antes de completar o segundo grau.

Sem educação o país não vai a lugar nenhum e as hienas que tomaram o governo de assalto continuarão a se esbaldar devorando a nação.  Do filé ao pescoço tudo é roubável e o povo que se dane.

Educação é a mola, a palavra chave para mudar o que precisa ser mudado, para dar sentido ao projeto de país que nós deveríamos ter.

Meio século atrás, a Coréia do Sul era muito menos desenvolvida que o Brasil. Graças a investimentos maciços em educação, a Coréia é hoje um grande gerador de riquezas e bem-estar social, ao contrário do Brasil, que está estagnado em patamares piores do que os de 1970.

Ninguém discute, educação é a chave para muita coisa. Mas o país tem outra carência, tão ou mais séria do que educação. Saúde pública. Só que é o patinho feio da história e não tem nada que indique que o cisne negro vai crescer forte e saudável.

Saúde. O Brasil não tem saúde. Todos os indicadores estão piorando. Doenças erradicadas estão voltando, epidemias estão se espalhando, áreas em que éramos exemplo para o mundo estão sendo sucateadas.

Os hospitais estão lotados e os estoques baixos. O Governo não paga minimamente o custo da saúde e os bancos públicos, de acordo com a regras, cobram taxas de mercado em vez de investir no social. Isso é cruel porque os hospitais pagam juros altos em vez de comprar remédios.

É hora de a saúde pública entrar na pauta. E este é um bom momento para começar a se preocupar.