É hora de baixar o fogo

O grau de intolerância das pessoas chegou a um nível insuportável. Brigam por todo tipo de opiniões ou críticas. Isso deixa o clima pesado demais para se viver!

Antonio

02 de abril de 2019 | 11h54

Não dá para marido e mulher viverem assim, imagine uma nação do tamanho e complexidade do Brasil.

É hora de baixar o fogo. Fazer uma reflexão do que queremos e mudar a postura diante dos fatos, ainda que estes fatos nem sempre surjam com a transparência necessária para serem bem entendidos.

Não é na porrada que se ganha alguma coisa. No máximo um olho roxo, mas a essência, com briga a pau ou não, não se resolve, nem se limita a meia dúzia de ofensas, a maioria dita bem longe do ofendido.

O problema é que os desmandos ideológicos se espalharam pela rotina da nação e muita gente acha que pode qualquer coisa, desde que leve vantagem com isso.

Se é honesto ou não é um mero detalhe. A corrupção no Brasil é muito mais profunda e está tão arraigada no dia a dia que as pessoas não percebem mais que dar dinheiro para o garçom trazer mais uísque numa festa é, guardadas as proporções, a mesma coisa que uma empreiteira dar dinheiro para levar uma obra.

A distorção é tão séria que alguém ser condenado e preso deixou de ser razão para se considerar que não pode assumir como parlamentar. Afinal, o que tem ser preso? É uma pergunta que merece reflexão.

Mas a questão mais grave é o grau de intolerância das pessoas. Tudo que não for a favor é pecado, como se o Cristo tivesse descido à terra e redefinido a moral nacional. Tanto faz o lado, as pessoas brigam por causa de opinião política ou por criticar fulano ou beltrano.

Não dá para seguir assim. É hora de quem dá exemplo pensar no que está fazendo. Não tem como ser diferente. Mas também é hora das pessoas comuns, os cidadãos de bem, baixarem a bola. Ninguém consegue viver num clima tão pesado como está o Brasil. Vamos somar e viver melhor.