Fez frio de Europa

Se você sente o frio que está fazendo, pense naqueles que moram nas ruas... Doe!

Antonio

06 de agosto de 2019 | 13h26

Só os especialistas a esperavam tão forte, mas, no momento certo, a frente fria chegou, trazendo neve, geada e as belezas do inverno, somadas a tudo de brutal e devastador que o frio tem.

Fez frio de verdade. Alguns dias com temperatura de inverno europeu, como se a Alemanha tivesse se instalado em Santa Catarina e o norte de Portugal chegasse na Liberdade.

São Paulo não é pensada para quatro graus e teve região da cidade onde a temperatura ficou ainda mais baixa.

E o que dizer de zero grau na entrada do Pantanal? Pantanal é sinônimo de sol, calor e passeios maravilhosos pelos rios que cortam a região, com a flora e a fauna deslumbrantes servindo de cenário.

Fazer frio na serra gaúcha ou nos altos de Santa Catarina está ok, faz parte do jogo, mas o frio que fez nestes dias ultrapassou tudo que eu ouvi e vi ao longo da minha vida. Teve lugar com menos sete graus e sensação térmica de menos vinte.

É frio para congelar a alma. Muitos anos atrás, eu peguei menos vinte em Hamburgo. É alucinante. Parou metrô, trens e várias pessoas morreram de frio, presas nas estradas porque o aquecimento dos carros parou quando acabou a gasolina.

O Brasil não foi pensado para viver com esse tempo. Nossos edifícios pedem sol e ar condicionado frio. A exceção são as cidades do sul, mas mesmo lá, este ano, a coisa ficou punk.

O duro é que temos um número alto de pessoas morando nas ruas. Em todas as cidades. Imagine o que elas estão passando neste inverno.

Se você puder ou tiver, tire a roupa que você não usa do armário e dê a quem precisa. Se dentro de casa está cruel, imagine numa calçada embaixo do Minhocão. Desde já, quem precisa agradece.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: