finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Fortaleza de Santo Amaro da Barra Grande

O Brasil tem um imenso número de fortalezas e fortes, ao longo de sua extensa costa. E muitos foram construídos com pedras vindas de Portugal...

Antonio

09 de março de 2020 | 12h22

O Brasil é um dos países com maior número de fortes e fortalezas do mundo. Isso dá bem a medida da importância da defesa da terra, desde seu descobrimento a meados do século 20.

Entre estas fortificações, a fortaleza de Santo Amaro da Barra Grande, ou Fortaleza da Barra, na ilha de Santo Amaro, ou Guarujá, quase em frente da balsa de Santos, é o mais importante complexo arquitetônico militar colonial do Estado de São Paulo e está em vias de ser eleito pela Unesco Patrimônio da Humanidade.

Quem olha para Santos e vê as defesas portuguesas se admira com a competência com que foram desenhadas e implantadas, a partir do século 16. Na entrada da barra de Santos foi construída a Fortaleza de Santo Amaro e o fortim do Góis; na barra da Bertioga foram erguidos os fortes de São João, do lado da Bertioga, e São Felipe, no Guarujá. E no meio, no porto, foram erguidos o forte de Nossa Senhora do Monte Serrat e a fortaleza Vera Cruz do Itapema.

Ao longo do século, a linha de fortificações defendeu o porto e a cidade de Santos, impedindo mais de um ataque de índios, espanhóis e piratas.

O que pouca gente sabe é que muito da pedraria utilizada na construção dessas fortificações é portuguesa. As pedras usadas nas muralhas vinham de Portugal, como lastro dos navios que cruzavam o Atlântico. Aqui as pedras eram descarregadas e os navios recebiam as cargas de pau brasil, açúcar e outras para serem transportadas na viagem de volta para a Europa.

As pedras já vinham cortadas e preparadas, não sendo necessário o trabalho de cinzelá-las para serem usadas nos muros, o que facilitava e tornava mais rápida a construção das fortificações e mantinha o padrão militar português, dando homogeneidade aos fortes da colônia.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.