FUTEBOL É CRUEL

O futebol é a representação da vida dentro do campo. Não tem lógica, não tem recompensa para o bom. Acima de tudo, tem gente que carrega um piano maior do que os outros.

Antonio

29 Agosto 2017 | 07h44

 

Futebol é futebol porque o jogo reproduz no seu universo pautado por quatro linhas os mistérios, as incertezas, o imponderável da vida.

Por que o time que joga pior ganha? Por que o jogador perde pênalti? Por que a bola bate na trave e entra? Por que o juiz ajuda um time? Por que o cartola diz que faz, mas não faz?

São perguntas que entopem os ouvidos depois de cada jogo, tanto faz o campeonato, a divisão ou o resultado da partida. E, como acontece com os grandes mistérios da vida, as respostas não aparecem.

A partida em si encerra todos os passos da história do universo. As forças irresistíveis, a pressão, a explosão, os acasos, ou não.

Quem não se apavora com a espirrada do centroavante ou a furada do zagueiro? Quem não chora no frango do goleiro que toma a bola fraca no meio das pernas? Quem não vibra com a defesa de um pênalti?

Futebol é emoção em movimento. É paixão. É força. É torcida. Tem quem ache que é mais do que religião. E tem os imbecis de plantão que transformam o jogo numa razão sem sentido para cometer toda a sorte de estupidezes, a favor e contra.

Mas estes não contam, nem devem ser levados mais a sério do que números de estatística indicando a evolução da população carcerária.

Para nós, vale o jogo. Fortemente incentivado no seu começo, na Inglaterra, para evitar o extravasamento das tensões sociais.

Não há posição mais ingrata que a do goleiro. Verdade? Quase. Os jogadores da defesa em geral são os mais expostos a ira da torcida. O camarada acerta todas o jogo inteiro, salva o time em dez situações de gol, e fura uma. Está perdido, é condenado pela torcida, como se todo o resto não tivesse existido. O atacante fura erra, perde gol feito, pênalti, mas, de repente a bola bate na sua canela e entra. Ali nasce o herói.