Igrejas e catedrais

Notre-Dame era mesmo deslumbrante, mas apenas mais uma no rol de templos, igrejas e catedrais erguidas ao redor do mundo, competindo entre si por sua grandeza e majestade!

Antonio

20 de maio de 2019 | 10h07

O incêndio que destruiu a Catedral de Notre-Dame leva a extremos, como dizer que era a igreja mais bela do mundo. Pode ser que sim, pode ser que não, depende do gosto e afinidade de cada um. Tem quem ache e quem não ache e todas as opiniões são válidas e devem ser respeitada. Até porque gosto é coisa que não se discute e a possibilidade de falar com Deus é ato individual, intransferível, que exige ou não local espacial, que pode ou não ser um templo cristão.

Como dizer que Stonehenge não é um local sagrado, mágico e deslumbrante? Como desprezar as pirâmides do Egito? E as pirâmides americanas? E o Partenon? E tantos templos que, como Petra, são desconhecidos da maioria das pessoas?

Como não se sentir próximo de Deus na Saint Chapelle? E como não ter a paz necessária dentro da Igreja do Pátio do Colégio? Como fugir da maravilha de São Francisco na Bahia? E como não compará-la à Igreja de São Francisco do Porto?

O que dizer dos três mosteiros portugueses: Alcobaça, Batalha e Jerónimos? Cada um marcando um momento do reino. Os três nos colocando em contato com Deus.

E o que dizer da Catedral de Colônia ou da igreja bombardeada e reconstruída em vidro, em Berlim?

Como passar pela Catedral de Munique? Pelas igrejas bombardeadas de Lubeck? Pela majestade da Abadia de Westminster? Pela beleza dos vitrais de Chartres? Por Reims e Orleans?

Pelas igrejas italianas: Firenze, Roma, Milão, Veneza, Nápoles, etc.?

Como desprezar Leon ou a Sagrada Família em Barcelona?

Como esquecer os templos incas? A riqueza do Oriente?

Notre-Dame era deslumbrante, mas, como ela, existem muitas outros.

Tendências: