Milimetricamente planejado

Milimetricamente planejado: com ferramentas simples, mas eficientes - corrupção, nepotismo, compadrio e incompetência - vai dar errado!

Antonio

20 Março 2018 | 08h06

A cada dia que passa eu me convenço mais de que o Brasil, em algum momento, deixou o trilho do progresso para entrar na mediocridade social, seguindo um projeto milimetricamente planejado para dar errado.

A coisa foi tão bem feita que até nosso presidente neoliberal, o homem que acreditou no brasileiro e deu certo, Fernando Henrique Cardoso, anda negando o passado e traindo os brasileiros que votaram nele.

As coisas que ele tem dito são de levantar defunto, mas se afinam com tudo o que seus colegas fazem e fizeram para fazer o Brasil dar errado. Cientificamente errado.  É como se Fernando Henrique tivesse vergonha do seu governo, das coisas positivas que fez ao longo do seu primeiro mandato, porque o segundo foi um quase desastre, que terminou na eleição de Lula, ao que parece, o verdadeiro ídolo de Fernando Henrique.

Mas não é só FHC que rema contra e se esforça para manter o rumo definido pelo desastre de 1988, a Constituição Cidadã, que condenou o país às profundezas do inferno e os pobres a ficarem mais pobres, em nome de enriquecer os nababos e os marajás que tomaram de assalto o poder.

Executivo, Legislativo e Judiciário, em suas mais altas esferas, estão de mãos dadas para manter a rota e afundar a pátria, por bem ou por mal. Claro que mantendo suas mordomias, evidentemente pagas por nós.

Não tem escapatória, ainda vamos descer muito mais. Nosso poço não tem fundo e o que não piora por bem, piora por mal. Não se preocupe, o Supremo garante.

Tanto faz a lei, o bom senso. O Brasil podia algum dia ter tido uma chance. Hoje, com as pessoas que mandam mandando, não tem o que fazer. Vai dar errado. Milimetricamente errado, porque foi assim que foi planejado. As ferramentas são simples, mas eficientes: corrupção, nepotismo, compadrio e incompetência. A soma de todas elas garante que vai dar errado.