Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Mudança de estação

As estações vão mudando, mas o destempero no mundo continua. Será que a salvação virá do céu? Ou será apenas um meteoro que porá fim a tudo de vez?

Antonio

30 de setembro de 2019 | 11h06

Será que o frio foi embora? Estamos no comecinho da primavera, mas, em época de furacão Dorian, incêndios no Ártico e queimadas pelo mundo todo, fica a pergunta: será que o frio foi embora?

A época não seria mais dele, ao contrário, seria de dias lindos, azuis e floridos, como se espera que sejam os dias de primavera.

Mas o mundo está louco. Não são apenas os seres humanos que perderam o juízo, a natureza dá diariamente provas de que está meio fora de giro.

Se os Estados Unidos têm Trump, também têm os incêndios na Califórnia e furacões cada vez mais poderosos.

Se nós temos o destempero verbal do Presidente e a competência operacional do Ministro da Economia, vamos na contramão do mundo, vistos como os bandidos da vez, ainda que estando longe de seremos algo parecido. E a natureza brinca de secar aqui e molhar ali com a indiferença de quem está pouco se lixando para o que nós achamos.

Manda quem pode, obedece quem tem juízo. O último grande ídolo nacional, o mito do Bolsa Família, o mito da riqueza dos pobres, enriqueceu seus amigos, empobreceu os mais pobres e acabou preso em Curitiba.

Nem tudo que parece é, da mesma forma que nem tudo que não parece não é.

A Grã-Bretanha vai de mal a pior, a Alemanha está na boca de uma recessão, a Itália é a Itália – não tem explicação e a Espanha não consegue colocar em pé um governo de coalisão.

Aqui tem gente chorando e gente rindo, mas, entre secos e molhados, a situação ainda está muito difícil para milhões de pessoas.

Dizem que a salvação virá do céu. Pode ser. Eu só espero que não seja um meteoro capaz de acabar com tudo outra vez.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: