Nós temos, mas quem não tem?

O Presidente brasileiro fala mais do que deve, mas é por sua conta e risco e isso não deve respingar no Brasil. Para fazer piadas com os outros, a BBC deveria primeiro olhar pra dentro da sua casa...

Antonio

27 de agosto de 2019 | 11h19

Faz pouco tempo, a BBC, tida como uma emissora séria, responsável por parte do sucesso britânico no mundo moderno, com imensos serviços prestados à imprensa internacional, levou ao ar um programa ridicularizando nosso Presidente da República.

Nada contra ou a favor. A imprensa livre às vezes se excede. Mas a liberdade de imprensa é uma das maiores conquistas do ser humano, responsável por conter desmandos sem tamanho e revelar tramoias e falcatruas envolvendo altos personagens, tidos por honestos ou inatacáveis.

Que o diga a história recente do Brasil. O que se apurou por aqui é uma lição para o mundo, incluída a Grã-Bretanha, onde as coisas não vão tão bem, aliás, como parece.

O Brexit pressagia o naufrágio de uma das mais fortes economias do planeta. E, no entanto, os ingleses seguem em frente como se não estivessem com uma batata quente nas mãos e o risco de cair de status.

Olhando de perto, ou melhor, lendo na imprensa, o que temos é um processo patético, capitaneado, primeiro, por uma senhora incompetente, de quem ninguém gostava, e, agora, por um personagem de filme cômico.

Enquanto isso, irlandeses e escoceses assistem tudo sem achar graça nenhuma e seriamente preocupados porque não querem sair da UE.

Muitos vão se lembrar, há alguns anos, um juiz espanhol tentou julgar brasileiros pelo que ele achava que aconteceu no Regime Militar.

Depois ele evoluiu e resolveu apurar o que tinha acontecido na Guerra Civil Espanhola. Aí ele perdeu o emprego e acabou processado.

O Presidente brasileiro fala mais do que deve? Fala. E daí pra frente é por sua conta e risco. O problema é não respingar no Brasil, que entre trancos e barrancos segue em frente. Seria interessante, antes de fazer piada com os outros, a BBC olhar dentro de casa.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: