O problema é o achismo

Nosso país não precisa quem ache que tem a solução para suas mazelas. O Brasil precisa de quem sabe e faz.

Antonio

16 de julho de 2018 | 15h43

Quem acha vive se perdendo. Uma antiga anedota de humor negro da década de 1970 dizia que fulano tinha um amigo que achava, acharam ele e está desparecido até hoje. A verdade é que achar não leva a nada, a não ser a cometer tolices e fazer besteiras. Quem sabe, sabe, não acha; quem acha não sabe e o duro é que imagina que pode tocar em frente, com tudo de ruim que o achismo traz em si.

A inquisição achava que sabia das coisas e que falava com Deus. O resultado foram milhares de hereges e judeus queimados para iluminar as noites de Madri.

Os protestantes achavam que seu Deus era melhor do que o Deus dos católicos, que achavam que seu Deus era melhor do que o Deus dos protestantes. Apesar do Deus ser o mesmo, se mataram, com requintes de crueldade, durante séculos.

O rei da Bélgica achava que podia mandar matar e mutilar milhões de congoleses e isso aconteceu em pleno século 20.

Os europeus achavam que eram melhores do que os chineses e exploraram deslavadamente a China, como se não fosse com eles.

E fizeram o mesmo com o resto do mundo, incluída a América Latina.

Os comunistas russos achavam que tinham que alimentar as cidades e para isso mataram de fome mais de 20 milhões de camponeses.

E os chineses de Chang Kai-shek jogavam os comunistas nas caldeiras das locomotivas porque achavam coisas diferentes.

As duas guerras mundiais mostram o resultado dos achismos estúpidos dos  povos civilizados da Europa. E por aí vamos.

É por isso que eu tenho pânico de quem acha que tem as soluções para o Brasil. O Brasil não precisa quem ache, precisa quem sabe e faz.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.