Tem gente que faz

Tanto faz a razão para isso, mas ainda tem gente que faz... Ainda bem que ainda tem gente que ainda doa para a Santa Casa!

Antonio

04 de novembro de 2019 | 12h16

Ao contrário do que pode parecer, ainda tem gente que pensa, pondera e faz. Faz sem contar, sem alarde, sem publicar nas redes sociais. Faz porque sabe que tem que fazer e que, seja lá pela razão que for, o importante é fazer.

Tem os que acreditam que devem uma resposta à sociedade; outros imaginam que, porque tiveram mais do que a média, devem retribuir; e tem os que fazem porque sabem que fazer é criar as chances para uma sociedade melhor e uma vida mais justa.

Tanto faz a razão, o importante é fazer, porque o certo é fazer. Cada um sabe como ajudar, como contribuir, como dar sua parte. Tem os que dão em dinheiro, os que fazem trabalhos voluntários, os que se especializam em temas com conotação social, os mecenas, os que sobem os morros, os que protegem as matas, os que fazem de forma sustentável.

Tem para todo jeito e todo gosto. E, por incrível que pareça, ainda que de forma organizada seja uma minoria quem faz, que pega na enxada e carrega o piano, a sociedade de forma geral apoia e, dentro das limitações individuais, contribui e paga a conta.

Não são as grandes empresas que são as doadoras regulares da Santa Casa. Mesmo sabendo que o Hospital atende dois milhões de pessoas por ano, e que entre elas estão milhares de parentes de seus funcionários, elas contribuem pouco. Quem organiza ações maravilhosas são os funcionários, que se cotizam e fazem acontecer. Seja a reforma de um andar, de uma enfermaria ou a doação de equipamentos ou cobertores.

Quem doa são pessoas comuns, sem projeção social, viúvas que deixam parte de seu patrimônio em testamento, empresas médias e pequenas e, às vezes, um grande empresário, que pede para ficar anônimo. O importante é que essas pessoas existem, são muitas e fazem sua parte.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.