A educação pública como causa essencial para as empresas

A educação pública como causa essencial para as empresas

Wal Flor

27 de janeiro de 2021 | 13h17

educação

À luz de discussões sobre volta às aulas e do Dia Internacional da Educação, já é sabido que os prejuízos educacionais provocados pela pandemia serão incalculáveis. Segundo a chefe do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), Henrietta Fore, “Há provas contundentes do impacto do fechamento de escolas sobre as crianças e adolescentes”.

A desigualdade de oportunidades será tragicamente ampliada, atingindo a saúde, a empregabilidade e a expectativa de vida dessa geração. António Guterres, secretário geral da ONU, confirma que esta é uma catástrofe geracional e que todos nós pagaremos o preço. Diante desse cenário, a questão não é se as aulas devem ser presenciais mesmo com o agravamento da pandemia. A pergunta correta é:

Quando as escolas devem fechar?

“Após mais de 10 meses de conhecimento científico acumulado e da experiência de muitos países, há indícios crescentes de que as escolas não são os motores da pandemia”, completa Fore. Para Renato Kfouri, pediatra e presidente do departamento de imunizações da Sociedade Brasileira de Pediatria, é um equívoco condicionar a volta às aulas à vacinação em crianças. A imensa maioria dos alunos adoeceu pouco e sem gravidade.

Neste sentido, é hora da sociedade brasileira parar de negligenciar as suas milhões de crianças e adolescentes e contribuir com uma educação pública de qualidade, como prioridade absoluta, como está previsto nos termos da constituição.

E por que as empresas devem participar?

Ampliar a educação é transformar economias, o que traz uma série de benefícios para as corporações. Educação é essencial! E empresas e marcas devem se engajar com causas essenciais. Nenhum esforço deve ser poupado para manter as escolas abertas nesse segundo ano da pandemia. Segundo Guterres: “…é necessário fortalecer a cooperação educacional a nível mundial e desenvolver competências e conhecimentos necessários para esse mundo cada vez mais veloz”.

Como se envolver com a causa da educação pública?

Agora, mais do que nunca, as organizações podem e devem contribuir com intervenções integradas, estruturadas e enérgicas para garantir que as escolas ofereçam um espaço seguro para alunos e professores. A articulação com governos municipais, estaduais e ONGs especializadas em educação é fundamental para construir planos com compromissos e metas de longo prazo, visando despertar e manter o desejo de aprender dos alunos.

Para empresas que não vivem sem um indicador, é importante avaliar as intervenções por meio de índices nacionais como IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) e ANA (Avaliação Nacional da Alfabetização). Sem dúvida, esses são excelentes mecanismos para avaliar a evolução de iniciativas educacionais brasileiras nos últimos dez anos, seja nas escolas municipais ou estaduais da rede pública.

Diante do cenário atual e das de diversas mazelas da educação pública brasileira, aqui estão três grandes desafios em que as empresas podem se engajar regionalmente:

  • Melhorar o baixo índice de alfabetização na idade certa: segundo a avaliação ANA (2016), mais da metade das crianças não são alfabetizadas até o 3º ano do fundamental (entre os 7 e 8 anos de idade)
  • Melhorar a proficiência de português e matemática no ensino: os alunos do 9º ano conseguiram nota 4.6 no IDEB 2019 (meta é 5.0), porém somente 18% atingiram nível de aprendizagem adequado em matemática e 36% em português.
  • Retenção e desempenho dos alunos do ensino médio: apenas 75% dos jovens de 15 a 17 anos estavam nesta etapa em 2020 e somente 5% atingiram nível de aprendizagem adequado em matemática e 30% em português (IDEB 2019)

Nos próximos artigos, contarei sobre as experiências significativas de empresas que estão contribuindo para apoiar a educação pública de forma menos assistencialista e mais transformadora.

Tudo o que sabemos sobre:

educação

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.