ESG: Coerência, Relevância e Compromissos são essenciais para identificar greenwash

ESG: Coerência, Relevância e Compromissos são essenciais para identificar greenwash

Wal Flor

20 de julho de 2021 | 09h20

esg greenwash

 

Em tempos de fervor com as siglas ESG (Environmental, Social & Governance), as empresas exaltam suas iniciativas e pactos ligados à equidade de gênero e raça. Além disso, implantam metas de zero de carbono, zero resíduos, proteção da biodiversidade entre tantas outras iniciativas para atrair investidores e consumidores sensíveis às causas socioambientais.

A pergunta que ronda a mente de muita gente é: se todas as marcas se dizem sustentáveis, então quem está prejudicando o planeta? A verdade é que identificar e avaliar os impactos negativos das empresas na sociedade e no meio ambiente, não é algo tão simples e trivial para a população em geral. Conscientização e educação constante são fatores fundamentais.

Para compartilhar algumas orientações práticas, esta semana entrevistei Fábio Alperowitch, especialista em ESG e fundador da FAMA, responsável por investimentos sustentáveis. Juntos, chegamos a conclusão que uma simples ida ao supermercado é uma excelente oportunidade para refletir como as marcas que você consome, de forma recorrente, estão lidando com os desafios do planeta. Para começar, é necessário avaliar 3 princípios:

  1. Coerência. A marca de carnes que você compra festeja o meio ambiente apenas em junho, quando o mundo celebra a data, ou ela está comprometida em combater o desmatamento durante o ano todo? “Para identificarmos a coerência com a causa, não podemos avaliar somente a foto da iniciativa, mas sim o filme”, ensina Alperowitch. “No aspecto social, é muito comum vermos as marcas com a bandeira do arco íris, símbolo da luta LGBTQIA+, apenas no mês de junho, mas o que de fato ela está fazendo para valorizar esta população?”, continua o investidor.
  2. Relevância. A marca de suco em pó lançou uma nova campanha para estimular o empreendedorismo infantil, entretanto faz sentido associar o produto adocicado para menores de 12 anos? Estimular atividade física e alimentação saudável deveriam ser iniciativas prioritárias. “Algumas usam atalhos para parecerem sustentáveis. Um bom exemplo são as marcas de roupas ou calçados que exaltam algodão sustentável como matéria prima, entretanto eles representam menos do que 1% da sua linha de produção. Não adianta aplaudir o que não é mais relevante”, afirma o especialista. É necessário saber se o essencial está sendo feito em toda a cadeia de valor do produto ou serviço.
  3. Compromissos de longo prazo. A marca de sabão em pó fez uma nova embalagem sustentável apenas para chamar atenção nas gôndolas ou possui compromissos de longo prazo com a redução das embalagens, ou mesmo com matéria prima reciclada? Neste caso, para descobrir a verdade, é necessário entrar no site da marca e procurar por mais informações.

O especialista confirma que a tarefa não é fácil e exige muita atenção. É um exercício diário de reflexão. O supermercado pode ser um bom experimento, pois como o cidadão vai com frequência, tem a oportunidade de pesquisar a marca comprada e checar se merece seu dinheiro na próxima ida ao supermercado. “Você pode se surpreender ao descobrir que o greenwashing (lavagem verde, na tradução literal), muitas vezes é apenas a ponta do iceberg”, complementa Alperovitch.

Para entender um pouco mais sobre a complexidade do impacto negativo dos produtos no nosso planeta, o especialista recomenda o filme ‘Dark Waters‘. No longa-metragem dirigido por Todd Haynes, você vai descobrir inimigos ocultos que residem em sua panela teflon. Outra dica fica por conta do documentário ‘Seaspiracy‘, onde o cineasta Ali Tabrizi, além de desvendar os segredos da indústria pesqueira, aponta a verdade sobre os selos de proteção marinha que aparecem nas embalagens de atum enlatado. Tabrizi vai lhe mostrar que o problema mais relevante do plástico no oceano não são os canudos ou embalagens, apesar de também serem gravíssimos. Como diria Al Gore, estas são verdades inconvenientes.

Tudo o que sabemos sobre:

esg

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.