Geração #quecausa: jovens acreditam no potencial das marcas para fazer do mundo um lugar melhor

Geração #quecausa: jovens acreditam no potencial das marcas para fazer do mundo um lugar melhor

Wal Flor

17 de janeiro de 2017 | 11h59

Divulgação - Lynx 2

Créditos: divulgação

Autenticidade, consistência e engajamento são fatores essenciais para as marcas se envolverem com causas e promoverem um impacto positivo na sociedade. Contribuir para um mundo melhor e obter lucro com estas iniciativas é uma tendência comprovada em recente pesquisa encomendada a Bowler/Pimenta pela agência Lynx, sobre o engajamento do jovem com causas sociais e corporativas.

De acordo com o levantamento, 82% dos jovens brasileiros acreditam que marcas e empresas podem contribuir para esse objetivo. Outros resultados mostram um amadurecimento da consciência dos cidadãos perante os grandes desafios globais, e esta geração não responsabiliza apenas Governo (77%) ou empresas (54%) por resolver as mazelas do mundo. 87% assume para si a responsabilidade de fazer parte da solução dos problemas. O assunto faz parte do cotidiano desse público, e 58% dos entrevistados afirmam que conversam sobre causas sociais diversas vezes ao mês com amigos e familiares. Entretanto, a maioria (57%) não soube identificar quais marcas apoiam causas.

Entre as marcas mais mencionadas pelos jovens e veterana no assunto, a Natura aparece isolada em 1o lugar, seguida pela Coca-Cola com suas campanhas impactantes, e Itaú –  podemos inferir que a criatividade e consistência da plataforma #issomudaomundo tem grande responsabilidade por esta posição. Unilever aparece na 4ª posição, o que é surpreendente por se tratar de uma marca corporativa – categoria pouco reconhecida por jovens -, uma excelente conquista e exemplo de que engajamento da alta liderança e consistências nas iniciativas e na comunicação são essenciais para ganhar a credibilidade do cidadão.

 

Pesquisa 1 - Lynx

Créditos: divulgação

A pesquisa mostra ainda que o jovem considera que educação, meio ambiente (com destaque para água e resíduos/reciclagem), combate ao trabalho infantil e pobreza devem ser as causas prioritárias para uma empresa se envolver. E mais: para eles, essas instituições são admiráveis e merecem sua confiança.

De fato, nossa jornada cognitiva permite afirmar que essa geração está atenta e interessada sobre as iniciativas das marcas e espera que elas falem mais sobre o assunto. Eis aí uma excelente oportunidade para manter uma conversa relevante e constante com este público e aumentar a participação ativa desta geração, uma vez que o compartilhamento nas redes sociais praticamente dobra quando marcas falam sobre suas causas.

Acredito genuinamente que juntos podemos ser a primeira geração a contribuir de forma efetiva com os desafios globais de uma forma inovadora, criativa e com mais profundidade. Agora só falta decidir: com que causa você vai?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.