A carta de Dilma

Celso Ming

16 de agosto de 2016 | 21h05

Dilma Rousseff escreveu sua carta aos senadores e ao povo brasileiro e voltou a falar em golpe. Se não é legítimo o processo de impeachment, também não são legítimos os recursos adotados pelo PT e pela presidente para tentar evitá-lo. Se ela vencer o processo aberto no Senado, essa vitória também não poderá ser considerada legítima porque terá sido determinada por instituições e autoridades agora tachadas de golpistas.

O argumento central da presidente Dilma é o de que não há crime de responsabilidade e de que ela não fez nada demais. Pedalada e financiamento de bancos oficiais de despesas correntes são para ela práticas inocentes. Outros antes dela fizeram a mesma coisa e não foram punidos. Por que será punida justamente ela? Esse é o mesmo argumento do traficante de drogas flagrado pela polícia. Outros fizeram e fazem a mesma coisa e, no entanto, não são nem apanhados nem punidos. Por que, então, a dureza de agora? Leia a análise completa da carta de Dilma Rousseff aqui.

Tendências: