A inflação e o estrago

Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

A inflação e o estrago

Celso Ming

10 de abril de 2014 | 20h00

O Banco Central (BC) bem que gostaria de interromper o ciclo de alta dos juros, como transpareceu do texto da Ata do Copom, divulgado nesta quinta-feira. Mas terá de lidar com uma inflação ainda mais braba do que com aquela com que contava.

Também em dezembro, entendia que dava os trâmites por findos, mas vieram a estocada de janeiro e as seguintes. Por isso, prosseguiu com a alta dos juros básicos, ainda que a doses mais baixas, de 0,25 ponto porcentual por vez.


Tombini. Sucessão de choques (FOTO: Ed Ferreira/Estadão)

O BC foi surpreendido pela inflação de março. Tanto foi que seu presidente, Alexandre Tombini, se sentiu obrigado a dar entrevista ao Jornal Nacional mesmo antes da divulgação da Ata, coisa que nenhum diretor do BC faz regularmente. A Ata do Copom está ultrapassada pelos fatos.

À parte a virulência inesperada, o BC lida com três problemas. O primeiro é que desde abril de 2013 puxou os juros básicos em 3,75 pontos porcentuais ao ano e, no entanto, a inflação está nos mesmos níveis existentes no início do processo, o que espalha dúvidas sobre a eficácia da política monetária.

O segundo problema é que o governo não ajuda. Cerca de 25% dos preços dependem de aprovação prévia do governo – caso dos combustíveis, da energia elétrica e dos transportes urbanos – e, portanto, não são alcançados pela política de juros. Pior, quanto mais alta a inflação, mais o represamento dos preços administrados tende a provocar distorções e expectativas de remarcações no resto da economia. Como foi apontado na Coluna de quarta-feira, em 12 meses os preços livres (os outros 75% dos preços) rodam a quase 7,0% enquanto os preços administrados estão a 3,4%.

O terceiro problema é que o BC não conta com outros instrumentos que poderiam ser acionados. Da política fiscal (controle das despesas públicas), que poderia ser um antídoto poderoso, não espera grande coisa porque, em fase eleitoral, o governo quer mais é gastar.

À falta de melhor discurso, Tombini fez coro nesta quinta com as declarações do ministro da Fazenda, Guido Mantega: o de que as atuais estocadas são temporárias, porque provêm do choque de alimentos provocados pela seca. Isso não explica por que, dos nove grupos de preços que compõem a cesta de consumo, seis estouraram o teto da meta em 12 meses.

É verdade, o choque dos alimentos tem impacto temporário. O problema é que a economia brasileira está excessivamente exposta a choques, num ambiente global de inflação baixíssima. Há o choque da energia elétrica e, para junho, quando o impacto da alta de preços dos alimentos em consequência da seca poderá ter-se esgotado, já se prevê o impacto de alta devido ao aumento de demanda acionado pela Copa do Mundo. Em Copacabana, o Cornetto da Kibon já está sendo cobrado por R$ 15 e as passagens aéreas subiram 26,5% apenas em março.

E, fato curioso, no principal parágrafo da Ata (o de número 32) está dito que “na presença de níveis de confiança relativamente modestos, os efeitos das ações de política monetária tendem a ser potencializados”. O BC parece festejar o baixo nível de confiança, na medida em que derruba a demanda, o investimento e a atividade econômica, o que ajuda a combater a inflação. Por essa lógica, se você quer derrubar a inflação, destrua o nível de confiança na economia.

CONFIRA:

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) prevê uma safra nesta temporada 2013/2014 de 190,6 milhões de toneladas de grãos, 1,1% maior do que a anterior. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aponta números ligeiramente mais baixos: produção de 189,4 milhões de toneladas e crescimento de 0,7%.

Como assim?

Parece difícil explicar para um observador estrangeiro como o Brasil enfrenta um choque de oferta de alimentos em consequência da seca com aumento da produção de grãos.

 

Tudo o que sabemos sobre:

Banco CentralinflaçãoIPCASelic