A terra em alta

Celso Ming

20 de agosto de 2010 | 18h49

A safra recorde de grãos deste ano e as apostas do mercado na persistência da alta das commodities agrícolas estão produzindo efeitos colaterais conjugados: aumento da procura por terras e salto dos preços do hectare.

Ultrapassada a fase de arrefecimento da demanda em consequência da pior crise financeira do capitalismo mundial desde os anos 30, o momento agora é de forte recuperação.

TERRAS.JPG

Levantamentos da consultoria AgraFNP mostram que, nos últimos três anos (de julho-agosto de 2007 a maio-junho de 2010), o hectare no Sul do País, onde se concentra a produção nacional de grãos, chegou a valorizar 526,7%. Na média, as terras brasileiras registraram uma alta de 28,9%.

Por trás desse aumento da procura por terras está o que vem sendo chamado – um tanto impropriamente – de fator China. É a tendência à escalada da busca mundial por alimentos (e de bioenergia), à medida que enormes contingentes da população asiática (e não apenas da China) continuarem a ser incorporados à força de trabalho e ao mercado de consumo.

O Brasil é um dos poucos países com áreas disponíveis para a produção agrícola (há estimativas de que podem chegar a 90 milhões de hectares, ou seja, mais do que o dobro da atual área destinada ao plantio de grãos, que é de cerca de 60 milhões de hectares). Afora isso, o preço da terra por aqui ainda é mais baixo do que os vigentes em outros países com significativo potencial agrícola, como os Estados Unidos, Canadá e Argentina.

Um bom indício de que os compradores de glebas estão mirando no longo prazo é a forte busca por terrenos em regiões pouco desenvolvidas, que não poderão ser imediatamente utilizados. A analista da AgraFNP Jacqueline Bierhals avisa que os investimentos hoje se concentram “em lugares onde a terra ainda é barata, porque não dispõem de estradas, mão de obra preparada e serviços de apoio, mas onde estão as maiores perspectivas de valorização”.

Esse é o caso da área formada pelas zonas de cerrado do Maranhão, Piauí, Tocantins e Bahia, apelidada de Mapitoba (junção das sílabas iniciais dos nomes de cada Estado). Enquanto o preço de um hectare em São Paulo oscilou, no último bimestre, em torno de R$ 12,3 mil, o mesmo pedaço de terra bruta no Piauí podia ser comprado por R$ 100. É a região considerada hoje como de maior potencial no agronegócio brasileiro e já responde por 10% de toda soja produzida no País.

Nos últimos 36 meses, por exemplo, o hectare no Maranhão valorizou, em média, 58% e, em alguns casos, chegou a 254%. No Tocantins, o salto máximo registrado no mesmo período foi de 154%.

Os arrendamentos na região também estão em alta. Bierhals chama a atenção para a tendência de forte aumento dos custos dessa prática. Gente não diretamente ligada ao setor produtivo, mas a instituições financeiras, fundos estrangeiros e indústrias, está adquirindo propriedades para arrendar a produtores locais.

Enquanto isso, no Estado de São Paulo acontece o contrário. A demanda por terras para a mesma finalidade tem caído, o que parece mostrar certa acomodação depois de quatro anos de boom do etanol. / COLABOROU ISADORA PERON

Confira

IPCAGrafico.JPG

Inflação negativa. Boa surpresa foi a evolução negativa do IPCA-15 de agosto: -0,05%.

IPCA-30 e IPCA-15. Para quem não está familiarizado com essa sigla, o IPCA-15 é o mesmo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), com a diferença de que o período medido não é do dia 30 de um mês ao 30 do mês seguinte, mas do dia 15 ao 15.

E a Selic? Esse é mais um indício de que o Banco Central terá de desistir de novas altas dos juros básicos (Selic).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.