Acionista minoritário pode se afastar da capitalização da Petrobrás

Celso Ming

19 de agosto de 2010 | 13h24

A certificadora contratada pela Agência Nacional de Petróleo para definir o preço dos 5 bilhões de barris de petróleo com que a União subscreverá sua parte no aumento de capital da Petrobrás avaliou o barril desse petróleo entre US$ 10 e US$ 12. É o que o Estadão está contando na sua edição de hoje.

Isso significa que o Tesouro entrará com pelo menos US$ 100 bilhões na subscrição. Se esse preço for confirmado, tenderá a afastar o acionista minoritário, que é quem pode entrar com dinheiro vivo nessa operação. E dinheiro vivo é justamente o que a Petrobrás precisa para bancar o investimento nos próximos cinco anos.

Assim, há um claro conflito de interesses entre a Petrobrás e a União nesse aumento de capital. A queda das cotações em Bolsa reflete as indefinições dentro do governo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.