Crédito à Grécia é interrompido e país pode decretar moratória

Celso Ming

27 de abril de 2010 | 13h35

Os mercados estão hoje, outra vez, em turbulência, em consequência da falta de definições sobre a ajuda à Grécia.

Agora pela manhã, o ministro das Finanças da Grécia avisou que os mercados estão fechados para novos empréstimos e que, se até o mês que vem não vier essa ajuda, o país quebrará; será obrigado a decretar moratória de sua dívida.

Enquanto isso, as autoridades da Alemanha fazem um teatro em que fingem um jogo duro. Afirmam que não soltarão dinheiro para a Grécia enquanto seu governo não apresentar um plano confiável de ajuste.

Essa posição dos políticos da Alemanha é perfeitamente compreensível. Nada menos que 70% da população alemã é contra o socorro aos que consideram os folgados da Grécia. E isso significa que as autoridades estão esperando que tudo piore e que o euro caia a US$ 1,20 para que a opinião pública mude de posição e, aí sim, seja possível providenciar o socorro, sem grandes traumas políticos.

Enquanto isso, os mercados continuarão em turbulência.

Tudo o que sabemos sobre:

AlemanhadívidaFMIGréciamoratóriapacote

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.