Economia frouxa

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Economia frouxa

Celso Ming

16 de abril de 2014 | 21h00

O produto e a renda avançam muito devagar, como mostrou nesta segunda-feira a baixa evolução do Índice da Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) – veja o gráfico.

Outros indicadores reforçam essa percepção. As vendas no varejo também estão mais fracas, como o IBGE apontou na terça-feira, e a indústria está atolada em estoques, como relatam os jornais. Mas, neste momento, o governo vê esse quadro meio parado até com certo alívio.

É que, neste início de ano, o principal inimigo deixou de ser o baixo crescimento e passou a ser a inflação. Ela caminha para o estouro do teto da meta (de 6,5% ao fim de cada ano), mesmo depois que o Banco Central puxou os juros básicos (Selic) em 3,75 pontos porcentuais ao ano em apenas 11 meses.

Nesta segunda, o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, deu a entender que têm como bem-vindos “a moderação no PIB de serviços e o crescimento menor do que o esperado na indústria”. Já na Ata do Copom, divulgada há uma semana, ficou dito que uma economia mais chocha (“níveis de confiança relativamente modestos”) melhora a eficácia da política de juros.

Ou seja, diante da atividade econômica mais fraca, o Banco Central tem um motivo adicional para encerrar o ciclo de alta dos juros, que já estão nos 11% ao ano e deixam impacientes setores do governo, porque, embora aumente o custo da dívida pública, a política monetária não está mostrando serviço.

A desaceleração da produção ainda não passa a certeza de que o aperto monetário vá parar por aí. Nem que, se parar, não tenha de ser retomado mais adiante, porque ainda há muita inflação a combater, especialmente quando aumenta a percepção do eleitor que seu poder aquisitivo vem sendo achatado.

E aí pega fogo a discussão sobre se a política de juros funciona ou não, num caldo de cultura em que muitos já não põem fé no sistema de metas de inflação.

Nesta segunda, o diretor de Política Econômica do Banco Central, Carlos Hamilton de Araújo, reconheceu que hoje é preciso mais carga de juros para combater a alta de preços em comparação à com a que era necessária há alguns anos. Para explicar essa perda relativa de eficácia da política monetária, Hamilton apontou para “as trajetórias de consumo do governo, o crédito direcionado e os preços administrados”. É um jeito meio desidratado de dizer que o governo está engessando o ferrão do Banco Central, na medida em que gasta demais, obriga os bancos a desviar boa parte dos seus recursos para determinados segmentos e porque represa preços importantes, como os da energia e dos combustíveis. Ou seja, para esses redutos da economia, tanto faz aumentar, reduzir ou deixar os juros onde estão, porque o governo, por outros meios, determina outra coisa. Assim, se é para derrubar a inflação, a dose dos juros tem de ser maior.

Os próprios diretores do Banco Central também não sabem ao certo até onde têm de apertar a política monetária. Não têm outra saída senão seguir nos procedimentos de tentativa e erro para conferir depois se a dose do remédio foi correta para o tamanho da doença.

CONFIRA:

Esta foi a evolução do IGP-M, o índice que serve de base para o reajuste dos aluguéis, nos últimos 12 meses.

Mais devagar

Como esperado, a segunda prévia do IGP-M mostrou desaceleração. Em março havia avançado 1,41%; em abril, 0,83%. O choque de oferta de alimentos perdeu boa parte da sua força. Mas, aparentemente, ainda há muita alta dos preços no atacado a ser descarregada sobre o varejo, onde se dá o custo de vida e define o nível de inflação que serve de referência para a definição dos juros pelo Banco Central.

Tudo o que sabemos sobre:

PIB; BC; Selic

Tendências: