Estagflação no radar

Estagflação no radar

Celso Ming

07 de junho de 2014 | 17h00

Até há algumas semanas, o desalento de empresários e de boa parte da população era visto pelo governo como episódio inconsistente sem justificativa no comportamento real da economia. Tenderia a se dissipar à medida que os pessimistas também fossem desmentidos pelos fatos.

Agora, o governo já começa a tomá-lo como dado de natureza econômica e, por suposto, também político. Na última Ata do Copom, por exemplo, o Banco Central avisou que contava com o alastramento do pessimismo como fator de eficácia da política de combate à inflação. Está no final do parágrafo 26: “É plausível afirmar que, na presença de níveis de confiança relativamente modestos, os efeitos das ações de política monetária (política de juros) sobre a inflação tendem a ser potencializados”. O presidente Lula, por sua vez, parece preocupado com o impacto da nova onda negativa. Lá do jeito dele, retomou os temas econômicos em suas manifestações públicas e vem sugerindo que o governo faça alguma coisa e “parta pra cima”.


Dilma. A eleição segura a ação (FOTO: André Dusek/Estadão)

Nos próximos meses, tende a espraiar-se a noção de que a economia está desarrumada. A inflação medida em 12 meses saltará para acima do teto da meta (6,5%), fator que, por si só, acirrará a percepção de que o trabalhador está perdendo poder aquisitivo. Os próximos indicadores da atividade produtiva também deverão apontar para um quadro de recessão que poderá ser comprovado estatisticamente no dia 29 de agosto, quando o IBGE divulgar o desempenho do PIB do segundo trimestre.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, já se queixou de que a inflação está entre as principais culpadas de derrubar a produção e o consumo, como se o governo de que faz parte não tivesse nenhuma responsabilidade nisso. Nos próximos meses, ficará difícil, até mesmo para ele, de esgrimir justificativas desse tipo.

Mais ainda, a percepção de que a economia está desandando tende a se acentuar algumas semanas antes das eleições. O quadro de desânimo vai sendo catapultado com as greves e manifestações que impõem o caos nas grandes cidades. O governo sabe que isso não é bom para quem espera um resultado consagrador das urnas. Mas, afinal, de que maneira se pode esperar que a recomendação do presidente Lula venha a ser acatada e que a presidente Dilma se mostre disposta a fazer alguma coisa?

O problema é que agora sobra pouco tempo e pouco espaço para mudanças relevantes. Cortar despesas públicas ou aumentar a arrecadação com mais impostos não é o tipo de iniciativa que este governo queira colocar em marcha às vésperas das eleições. Proclamar que tudo mudará, “quando novembro vier”, como já disse a presidente Dilma, graças à adoção de políticas redentoras, também cola pouco, até mesmo porque implica reconhecimento dos erros cometidos até agora.

O mais provável é que o governo tente seguir seu curso, empurrando as coisas do jeito que dá, contando mais com discursos, jogo de palavras e imagens de TV, do que com compromissos firmes de conserto.

Tudo o que sabemos sobre:

confiançainflaçãoPIB