Faltou explicar

Celso Ming

29 de julho de 2010 | 14h02

A Ata do Copom divulgada nesta manhã não explica por que o Banco Central mudou, de repente, seu diagnóstico da economia a ponto de contrariar o que antes divulgara nos documentos pelos quais se comunica com o mercado.

Explicando melhor: depois de ter sinalizado que manteria a dose de alta de juros de 0,75 ponto porcentual, o Copom desacelerou sua política. E, em vez de 0,75 ponto porcentual de alta, determinou alta de apenas 0,5 ponto.

Por causa dessa diferença, cresceram as críticas de que o Banco Central estava sendo influenciado pelo jogo político a ponto de não cumprir o que antes imaginava fazer.

Na verdade, o que o Banco Central esperava agora que fosse entendido é que as condições da economia, tanto externa como interna, mudaram de uma semana para outra, a ponto de permitir um aumento mais baixo de juros.

Isso de fato está na Ata do Copom. Mas não há nenhuma explicação para o forte desencontro das expectativas. Bastaria ter dito que o jogo mudou e, por isso, o Banco Central também mudou e que não teve tempo para se comunicar adequadamente com o mercado.

Por falta dessa explicação, o Banco Central vai continuar sendo o foco de críticas.

Tudo o que sabemos sobre:

Ata do CopomBCexpectativasjurosSelic

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.