Fazer acontecer

Fazer acontecer

Celso Ming

26 de março de 2014 | 21h00

A presidente Dilma passou a ouvir mais os empresários. Na segunda-feira, por exemplo, passou 3 horas e meia conversando com banqueiros no Palácio do Planalto.

Há quem aposte em que se trata de puro teatro emoldurado pelo cenário eleitoral. Pode ser mais do que isso. Pode ser a percepção de que não se pode fazer política econômica baseando-se apenas no princípio de que querer é poder, como cantava Geraldo Vandré nos anos 70: “Quem sabe faz a hora não espera acontecer”.


Dilma. Querer não é poder (FOTO: Sérgio Castro/Estadão)

Nos três primeiros anos de governo, a presidente Dilma chamava os banqueiros e ordenava: “Atirem-se ao crédito e baixem os juros”. E nada de substancial acontecia. Chamava os empresários e ordenava: “Soltem o espírito animal e desengavetem os investimentos”. E nada de substancial acontecia. Dizia aos possíveis interessados nas concessões de serviços públicos: “Vocês não precisam de retorno alto porque esses projetos apresentam risco zero”. E os interessados não apareciam.

Sobre as agências de classificação de risco, o governo tem uma postura ambígua. Quando a nota do Brasil foi elevada, as autoridades deste e do governo anterior festejaram e apontaram o sucedido como prova de confiança na política econômica. Quando ocorreu o contrário, essas agências não passam de paus-mandados dos rentistas, do capitalismo financeiro global e da agiotagem institucionalizada, que desconhecem o País.

Depois de árduos anos de aprendizado, este governo parece ter entendido que, goste-se ou não dos interesses privados, não se pode governar sem eles.

Se este for um movimento sincero, essas coisas não têm como ficar apenas no nível das relações interpessoais. Implicam mudanças mais profundas de política econômica. Não porque os novos interlocutores assim o recomendem, mas porque é preciso enfrentar enormes distorções e contradições na economia.

Por exemplo, o governo não pode manter indefinidamente essa política populista de preços rebaixados dos combustíveis. Isso tem de mudar, não porque banqueiros e empresários não gostem, mas porque esse jogo é insustentável ante outros objetivos do governo. Para garantir a capacidade de investimento da Petrobrás, não se pode sangrar seu caixa, como vem sendo feito. Para atrair sócios para a construção das novas refinarias não se podem manter preços irrealistas do produto final. E, se é para expandir a produção de etanol, é preciso preços consistentes dos combustíveis.

Como uma coisa puxa a outra, toda a política econômica precisa de ajustes. Não dá para derrubar os juros na marra, desvalorizar o real somente para dar competitividade à indústria nem distribuir subsídios e transferir renda mais do que o Tesouro aguenta. Por um certo tempo, o governo pode enganar o País e a si próprio com o expediente da contabilidade criativa no registro das contas públicas. Mas, chega o momento em que a política fiscal fica insustentável, por sua inconsistência.

Há mais do que simples evidências de que o atual arranjo não deu certo, porque só produziu crescimento baixo, inflação alta e desajustes nas contas externas. Mas não está claro quanto o governo pretende mudar e quando pretende aprofundar as mudanças. E até que ponto pretende incorporar valores e reivindicações do setor privado.

CONFIRA:

Aí está a evolução do estoque de crédito desde fevereiro de 2013.

Para onde vão os juros?

Sai nesta quinta-feira o Relatório Trimestral de Inflação do Banco Central. É o primeiro documento oficial depois da nova estocada da inflação desde o fim de fevereiro, em consequência da seca. A questão mais relevante será aferir até que ponto o Banco Central se mostra disposto a puxar os juros básicos (Selic), hoje nos 10,75% ao ano. O Copom pouco pode fazer para recuperar as safras dos hortigranjeiros. Vai limitar-se a reduzir o impacto dessa alta sobre o resto da economia.

 

Tudo o que sabemos sobre:

Dilma Rousseff; política econômica;

Tendências: