Hora de mudar

Hora de mudar

Celso Ming

19 de junho de 2013 | 20h00

Se foi mesmo sincera quando, ao elogiar as manifestações e suas reivindicações por mudanças, garantiu que fará essas mudanças, a presidente Dilma tem de começar a mudar o diagnóstico e o tratamento que vinha dando à inflação.

Embora não se saiba onde e como vão desembocar, os protestos começaram com a revolta com o reajuste de R$ 0,20 nas tarifas da condução cobradas em São Paulo.


Dilma. Como fica a inflação? (FOTO: Ed Ferreira/Estadão)

Ora, o problema não é o reajuste, revogado nesta quarta-feira. É a inflação, que exigiu o reajuste. Ela vem corroendo o poder aquisitivo e em algum lugar do bolso do consumidor teve mesmo de começar a pressionar.

Um eventual recuo dos administradores na cobrança desse reajuste, como já aconteceu em São Paulo e em outras sete capitais, não resolve o problema central. Vai continuar faltando salário antes de chegar o fim do mês.

Até agora, o governo Dilma fez uma avaliação arrogante da inflação. Ignorou sua importância e seus estragos. Atribuiu o problema a causas externas (choques de oferta produzidos pelas secas nos Estados Unidos em 2012) ou a fenômenos temporários internos. A partir desse diagnóstico, não havia o que fazer. Era esperar pelo refluxo espontâneo da inflação. Durante meses, o Banco Central fez o mesmo jogo. Mas, desde abril, passou a admitir que a inflação tem causas internas relevantes. Entre elas, os gastos excessivos do setor público (política fiscal expansionista), consumo acima da capacidade de oferta da economia e mercado de trabalho excessivamente aquecido, que vinha proporcionando pagamento de salários acima da expansão da produtividade do trabalho.

Traído no compromisso quebrado pelo governo de manter uma política orçamentária responsável, a partir de abril o Banco Central se sentiu liberado para acionar sua política monetária (alta dos juros) até então teimosamente mantida a serviço do arranjo voluntarista de política econômica que vem produzindo as conhecidas distorções. Já se vê que uma política de juros mais restritiva desacompanhada de uma política fiscal responsável pode pouco contra a inflação.

Depois de muita vacilação e uma tentativa de sacramentar a adoção de uma política fiscal que denominou de anticíclica (que implica mais despesas agora), o ministro da Fazenda, Guido Mantega, admitiu que entregará ao final deste ano um superávit primário (sobra de arrecadação para pagamento da dívida) correspondente a 2,3% do PIB. Mas ninguém sabe, provavelmente nem ele, como conseguirá esse resultado nem se será suficiente.

A percepção geral é a de que a política fiscal do governo Dilma é uma bagunça. E este é um fator adicional que tira a credibilidade da política econômica e trabalha contra a virada.

A inflação sofre agora os ataques de outro fator: o da disparada das cotações do dólar no câmbio interno. É o que vai encarecer ainda mais os produtos importados e as dívidas em moeda estrangeira, numa proporção incerta, mas que provavelmente não será inferior a 0,5 ponto porcentual de inflação ao ano para cada alta de 10% na cotação do dólar.

Enfim, falta saber o que mudará na condução da política econômica do governo Dilma. E se de fato mudará.

CONFIRA:

Menos dólares. O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), Ben Bernanke, reafirmou nesta quarta-feira que vai reduzir o programa de compra de títulos a partir do final deste ano. Mas não foi claro quanto ao ritmo da retirada dos estímulos que hoje correspondem a emissões de US$ 85 bilhões por mês. Ou seja, o mercado financeiro terá de continuar a operar no lusco-fusco, o que semeia incertezas.

Não será ele. Como o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, já declarou que Bernanke não deverá ser conduzido à presidência do Fed a partir de janeiro de 2014, parece inevitável que o desmonte do programa de estímulos até agora destinado a garantir a recuperação dos Estados Unidos será conduzido por outra pessoa, o que parece novo fator de incerteza.

Desvalorização do real. Do ponto de vista da economia brasileira, confirma-se a perspectiva de desvalorização do real (alta do dólar), fator que deverá contribuir para aumentar a inflação.