Mudança na aposentadoria paralisa a França

Celso Ming

18 de outubro de 2010 | 12h33

Paris está paralisada em consequência das manifestações contra o projeto do presidente Sarkozy de adiar o tempo do início da aposentadoria como medida necessária para reequilibrar as contas da previdência social da França.

A expectativa de vida está aumentando em todo o mundo e também na França. E as finanças do sistema previdenciário estão quebrando porque os governos têm de garantir o pagamento da aposentadoria por mais tempo, fator que não havia sido previsto pelas bases atuariais com que se criaram os sistemas.

Mas, desta vez, não são apenas os trabalhadores que estão se manifestando contra esse projeto do governo francês. Fato inesperado, são os estudantes que vêm agora engrossando os protestos, por outra razão. Porque o adiamento da aposentadoria dos trabalhadores na ativa mantém por mais tempo fechados postos de trabalho. E isso significa que a população jovem passará a ter mais problemas para começar a sua vida porque os mais velhos vão demorar mais tempo para abrir sua própria vaga de trabalho.

Nessa fase de aumento de desemprego, este não deixa de ser um efeito colateral importante que empurra a solução do desequilíbrio do sistema previdenciário para o aumento da contribuição. E este será outro problema.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.