O frenesi das moedas

O frenesi das moedas

Essas operações cruzadas entre dólar e euro produzem efeitos opostos; Como é a moeda americana que serve de medida de valor para a maior parte das mercadorias, as cotações das commodities enfrentam novo fator de queda, não mais pelo jogo da oferta e da procura, mas porque o dólar mais forte compra mais petróleo, mais metais e mais grãos do que antes

Celso Ming

11 de março de 2015 | 21h00

Os dois maiores bancos centrais começam a operar em direções opostas. O Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) prepara-se para remover uma montanha de dólares do mercado. Enquanto isso, o Banco Central Europeu (BCE) começou a injetar outra montanha, no seu caso, de euros.

A lagoa do mercado enfrenta vagalhões enormes provocados por esse jogo pesado. O dólar já começou a se valorizar em relação a quase todas as moedas. O euro, ao contrário, vai encolhendo. Perdeu 12,8% desde o início de 2015. Vale agora 1,05 por dólar. No início de sua circulação, em 1999, o euro equivalia a 1,16 dólar. A perspectiva da paridade 1 por 1 está logo aí.

O Fed prepara-se para reverter a operação de afrouxamento quantitativo (QE, na sigla em inglês) que, desde 2008, despejou US$ 3,5 trilhões na economia por meio da compra de títulos públicos e privados no mercado. O objetivo foi induzir à recuperação.

Dolar11marco

Para o dia 18 espera-se que o Fed emita a senha para o início dessa operação de retirada de moeda. É que, há alguns meses, a presidente Janet Yellen avisou que, duas reuniões após a retirada da expressão “paciente” do seu comunicado, os dólares provavelmente começarão a ser sugados.

Na segunda-feira, o Departamento do Trabalho dos Estados Unidos divulgou seus números sobre o mercado de mão de obra. A queda do nível do desemprego de 5,7% em janeiro para 5,5% em fevereiro foi entendida como sinal de que a economia americana não precisa mais da cadeira de rodas para impulsionar contratações de pessoal pelo setor produtivo. Foi entendida como indicador de que o Fed pode começar a enxugar.

O BCE, por sua vez, já colocou em funcionamento seu injetor de euros. Segunda-feira, como confirmou seu diretor executivo Benoît Coeuré, o sistema comprou os primeiros lotes de títulos por 3,2 bilhões de euros. O volume mensal deve atingir 60 bilhões de euros, até um total de 1,104 trilhão, processo que deverá ser completado apenas em agosto de 2016.

Essas operações cruzadas produzem efeitos opostos. Enquanto o dólar se valoriza, o euro se desvaloriza. Como é o dólar que serve de medida de valor para a maior parte das mercadorias, as cotações das commodities enfrentam novo fator de queda, não mais pelo jogo da oferta e da procura, mas porque o dólar mais forte compra mais petróleo, mais metais e mais grãos do que antes.

O real sofreu duplo impacto: tanto o relacionado com a deterioração das condições da economia quanto o da valorização do dólar. Nos últimos 12 meses (até esta quarta-feira) o real se desvalorizou 25% em relação ao dólar. Só em 2015 foram 15%.

A consequência imediata mais importante desses efeitos combinados é a alta dos produtos importados e seu impacto sobre a inflação. É um dos fatores que poderão exigir a continuação do processo de alta dos juros pelo Banco Central.

A disparada do dólar tende a melhorar a competitividade da indústria e impulsiona as exportações. Com isso, o agronegócio recupera o faturamento antes abatido pela queda das cotações das commodities agrícolas. Mas o passivo da Petrobrás aumentou em reais e vai tirando a capacidade de recomposição de caixa.

CONFIRA

Novo cálculo do PIB
O IBGE incorporou ao cálculo das Contas Nacionais (as do PIB) metodologia aceita internacionalmente. Nesta quarta-feira foi divulgada a série histórica de 2000 a 2011, agora revista. A diferença é mais no tamanho do PIB do que no porcentual de evolução. Em 2011, por exemplo, o valor passou de R$ 4,14 trilhões para R$ 4,37 trilhões.

Mudanças
Algumas atividades mudaram de conceito. Aplicações em pesquisa e desenvolvimento e em software, por exemplo, deixaram de ser consideradas despesas e passaram a ser investimento. Os escritórios de administração das indústrias não contam mais para resultados de produção industrial e agora integram o setor de serviços. O mesmo aconteceu com as holdings. Construção civil e saúde pública têm agora apuração mais precisa. A produção de energia pelas termoelétricas entra com valor mais alto.

Números de 2014
Os resultados do PIB em 2014, a serem divulgados no dia 27, virão calculados pela nova metodologia.

Tudo o que sabemos sobre:

câmbiodólareuroreal

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.