O que é isso, companheiro?

O que é isso, companheiro?

Governo das esquerdas que distribuiu renda e o que conseguiu foi a estagnação da renda nacional por meio de uma sucessão de pibinhos, que agora desembocam na retração da atividade econômica

Celso Ming

13 de abril de 2015 | 21h00

Em artigo publicado no Estadão do dia 10, o ex-guerrilheiro e hoje simplesmente jornalista Fernando Gabeira faz importante advertência à esquerda brasileira, que confundiu tudo quando arrebatou o governo ao longo das administrações Lula e Dilma.

Ele conclui seu texto com uma afirmação síntese: “Não há espaço para uma esquerda monocrática que confunde suas ideias com o interesse nacional, que julga aproximar-se do socialismo, mas avança para o colapso econômico”. É outro jeito de convidar as esquerdas para a autocrítica, feita com tanta relutância quando feita ou, para tantos efeitos, ignorada.

As confusões da administração de esquerda ao longo destes três mandatos são enormes e devastadoras.

Tentaram adotar uma política anticíclica, mas produziram um keynesianismo tosco, sem equilíbrio fiscal – como advertiu na semana passada o ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos, Mangabeira Unger. A consequência da que foi chamada Nova Matriz Macroeconômica foram desastres em cascata.

Pretenderam aumentar o emprego com instrumentos de política econômica que desembocaram no esvaziamento sistemático da indústria. Para compensar a falta de competitividade produzida pelo desequilíbrio macroeconômico, inventaram uma política industrial voluntarista e insustentável. Para supostamente reduzir a carga tributária da indústria, baixaram a desoneração dos encargos trabalhistas que o ministro da Fazenda Joaquim Levy chamou de “grosseira” e que aumentou em R$ 20 bilhões as despesas anuais do Tesouro.

A ligação direta entre Tesouro e BNDES sugou R$ 400 bilhões, uma dinheirama cuja destinação e condições permanecem nebulosas. Trata-se de um orçamento paralelo que foge ao controle tanto do Congresso quanto do Tribunal de Contas da União.

Em nome do princípio da economicidade tarifária (preço mais baixo ao consumidor), o governo Dilma desestruturou o setor de energia elétrica, com resultados que obrigaram agora a descarregar tarifaços ao consumidor.

Também para evitar o galope da inflação, as tarifas dos combustíveis permaneceram represadas desde 2010. Com isso, o caixa da Petrobrás foi sangrado em R$ 20 bilhões, prática predatória que asfixiou seu investimento.

A política fiscal da segunda administração Lula e da primeira administração Dilma baseou-se na expansão do consumo sem contrapartida de investimentos e de aumento da produção. Para fingir austeridade, os administradores recorreram a truques contábeis, pedaladas e ocultamento de esqueletos fiscais.

O resultado foi a disparada da inflação. Para evitar estouro ainda maior dos preços, a equipe econômica do governo represou o câmbio e achatou cerca de 25% dos preços da cesta de consumo. Agora a nova administração foi obrigada a conceder reajustes realistas de preços que puxaram a inflação para perto dos 9% em 12 meses.

Em vez de concentrar esforços e recursos para melhorar as condições de vida da sociedade, com melhora da educação, da saúde e dos transportes, o governo das esquerdas optou por propiciar o paraíso para a classe operária com subsídios a compras de bens de consumo, como veículos e aparelhos domésticos.

Alardearam que distribuiriam renda e o que conseguiram foi a estagnação da renda nacional por meio de uma sucessão de pibinhos, que agora desembocam na retração da atividade econômica.

Afinal, o que é isso, companheiro?

CONFIRA

Balanca2semanaAbril

 

Em 2015, o déficit acumulado da balança comercial (exportações menos importações) chegou, na segunda semana de abril, a US$ 5,4 bilhões.

Efeito combinado
A desvalorização cambial combinada com o ajuste fiscal tende a reduzir o déficit da balança. Além de estimular as exportações, a alta do dólar tende a inibir importações. E a contenção das contas públicas deve reduzir a demanda por bens de consumo que, por sua vez, concorre para a retração das importações. Do início de 2015 até agora, as exportações caíram 15,3% e as importações, 14,3%.

Tudo o que sabemos sobre:

Fernando Gabeira. Dilma Rousseff

Tendências: